sábado, 30 de agosto de 2014

QUE A COR DAR-TE...





QUE A COR DAR-TE...


 Neste dia que agora começas,
espreguiçando-te, com a ternura
no teu rosto, sorrindo-me, pensei
que cor te dar para colorir o teu dia.

Num abraço, deixo-te o aroma anil 
da alfazema que me perfuma a pele do corpo
e o vermelho bem vivo do meu amor por ti...

No meu sorriso vê o amarelo intenso da ternura
com que to ofereço, para que te acompanhe todo o dia
e nele o verde da Esperança de que ele seja teu, na busca
da felicidade que ambos almejamos, aliança celebrada 
numa tarde de magia.

Ofereço-te o laranja neste jarro de sumo de laranjas,
espremidas com carinho, para que te sirva 
de alimento e energia colhida do sol que dá luz ao dia.

Ao abrir-te os cortinados de par em par, janelas abertas
para que a brisa do mar adentre o quarto e te encha
de ar com aroma de maresia, franqueio-te a cor pura e límpida 
do céu sem nuvens e do azul do mar orlado do branco 
da espuma que vem prestar-te vassalagem a ti menina do mar...

O Violeta deixo-to no vaso de violetas selvagens floridas 
que te ofereço para que perfumem o teu quarto...

Optei não por uma, mas pelas sete cores do Arco-Íris
cores que quero sejam as nossas, para nelas nos recordarmos
da aliança que ambos fizemos naquela tarde de magia
em que escrevemos poesia um no outro, com gestos de 
ternura, carinho, cumplicidade, ingredientes do nosso afecto.

Não podia porém deixar de te trazer o Branco da serenidade e
da paz com que encaramos os nossos dias, e assim encho-te 
a tua vida de rosas brancas, as rosas que tu mais aprecias, 
orvalhadas pelas gotas da ternura com que as colhi. 

Hamilton Ramos Afonso