terça-feira, 9 de setembro de 2014

DESCULPA-ME





Desculpa-me…


Tenho que te pedir desculpa 
por me preocupar contigopor querer saber e 
entender as tuas angustias, 
os teus silêncios
por me preocupar e 
tentar entender as tuas mudanças 
de humor, mas sobretudo 
por ter cometido o erro de 
me arrogar o direito 
de te dar conselhos e 
de forma leviana querer 
saber da tua vida…

Desculpa-me ainda 
por me ter apaixonado por ti e 
não saber como te esquecer, 
de não saber como se esquece 
um grande amor…
...nem saber como se faz, 
ou sequer se o quero…

Talvez me possas ajudar
a fazê-lo dizendo-me 
como se esquecem
as promessas de amor eterno, 
o sonho de encurtarmos 
as distâncias que nos separam, 
sejam as que se prendem especificamente 
com a distância física, 
ou aquelas que têm a ver
com a censura da hipocrisia social…

Ficarei aqui, em silêncio, a sofrer com angústia, 
a tentar esquecer, a tentar reaprender a viver sozinho.

Mas quero que saibas
que estarei sempre disposto a ouvir-te,
a ajudar-te a dar-te o meu colo
e o meu ombro, quando deles necessites, 
sem pedir nada em troca, incondicionalmente… 

Hamilton Afonso