quinta-feira, 11 de setembro de 2014

NOITE



"NOITE"


Ouvem-se ao longe
os cantares da passarada
a roçar as asas na folhagem das pereiras.
A noite chegou junto da fonte, 
que corre pelas entranhas da serra
Chocam-se vultos que baloiçam
nas margens do rio que já dorme.
Imponente é a luz que vem da lua
sentada nas nuvens,
canta uma canção de embalar.
O vento beija uma folha caída no chão
O meu olhar, afaga a noite mágica
como se ela fosse um rosário de oração.

Margarida Fidalgo