quinta-feira, 6 de agosto de 2015

O SAL DA INGRATIDÃO


Arte: Victor Bauer 

O sal da ingratidão


O teu tempo povoado de desculpas...
garimpando motivos,
mesmo que sem qualquer adesão à realidade,
porque dava trabalho reconhecer 
que era difícil, mas viável
porque a verdade é que o que chamavas amizade
era amor...

A dificuldade em reconheceres essa certeza
encontrou aliado na mais impensável e cruel atitude
a de rebuscar nas vírgulas e reticências do tempo
motivos para espalhar a dúvida, para a discussão fácil,
para o afastamento, não cuidando de saber 
as feridas em chaga que ias causar...
...o espinho que cravaste bem escolhido...

Não nego que chorei a ausência, 
como por solidariedade para contigo chorei...
mas a fonte de água que alimentava os meus olhos secou
e apenas resta o sal da ingratidão 
e a determinação de seguir em frente,
porque não mereces as lágrimas que por ti derramei...

Hamilton Ramos Afonso