sábado, 1 de abril de 2017

O AMOR QUE NÃO COBRA...




O AMOR QUE NÃO COBRA...


Dia luminoso, quente, com o céu vestido de gala
azul resplandecente a testemunhar a alegria 
que tomou conta da minha alma, emoção a toldar-me a vista 
misturando-se com a canícula que do céu emana, com o Astro Rei
a dardejar em chama.

Alegria incontida nas entranhas, por te saber sem dúvidas
sobre o que fazeres com o que por ti sinto

Ouvir-te contar da tua determinação, de saberes que és capaz de
o aceitares sem constrangimentos, libertando-te das amarras que 
te dividiam, que te faziam não estar livre para aceitares que ele 
se pode transformar no « amor que não cobra», na melhor das amizades.

Com o coração a bater descompassado digo-te que sempre foste livre de partir, 
da mesma forma livre, com que aportaste à minha vida.

Esta é uma decisão esperada alicerçada na força da razão, 
a razão da nossa inabalável confiança, da nossa cumplicidade,
observando aquilo que nos trouxe a vontade de viver.

O respeito que devo a mim próprio e a confiança que em ti deposito
salvaguarda a nossa Amizade de qualquer intromissão, ou de qualquer abalo…
mesmo que telúrico…