domingo, 20 de maio de 2018

CAÍSTE NOS MEUS OLHOS


Arte de Michel Jouenne


CAÍSTE NOS MEUS OLHOS


Em cada manhã os teus olhos pelas abertas janelas 
Vão poisar nas flores do nosso campo, gostas delas.
E de noite teus olhos voam para dar umas olhadelas 
Aos retalhos azuis do céu e encontrares as estrelas!

Para podermos admirar melhor este nosso Paraíso,
A neve branca sozinha lá no alto da montanha caía
Numa sonolência branca, fria! De manhã vem o Sol
De novo, carinhoso cintilante! As mãos te dei, urgia! 

Com palavras cor do Sol acordei-te, com um sorriso.
Subiu-te uma canção à garganta igual aos rouxinóis.
E em silêncio, apreciei ver teus olhos sob os lençóis.

Passa na janela uma borboleta, abres os olhos teus;
Com os nossos olhos abertos, acenamos um adeus,
Não resistimos à tentação e caíste nos olhos meus!

Alfredo Costa Pereira

 

sábado, 19 de maio de 2018

MAIO, NÃO VÁS EMBORA…!



Imagem - Bellissime Immagini


MAIO, NÃO VÁS EMBORA…!


Maio, de cinco sentidos, que entre as flores 
Brota o primor de lindos amores,
Não vás embora sem antes deixar
Pelo caminho o teu doce perfumar!

Pelo caminho o teu doce perfumar
E em meu coração a flor, da primavera, 
De cinco estações, para bem recordar
Que és o mais belo mês e não a quimera!

Que és o mais belo mês e não a quimera,
De cinco sentidos, rodopiando ao acaso,
De um vento, de um solstício temperado,
De sonhos vai-e-vem, ah quem me dera!

De sonhos vai- e-vem, ah quem me dera
Ser balão de ar, de cinco estrelas, saltitar
Pelas orbitas de um só olhar a primavera,
Ainda em Maio, baloiçando o verbo amar!

Ainda em Maio, baloiçando o verbo amar,
Beijando num sempre o azul de um olhar!
Não vás embora sem antes ensaiar
A valsa, de cinco véus, mão em mão a par e par!

© Ró Mar

sábado, 12 de maio de 2018

VENTOS DO NORTE





VENTOS DO NORTE


Que ventos te levaram
Que tão arredio ficaste
Foram os ventos do rio
Aqueles onde nadaste!

Que ventos te levaram
Foram os ventos do norte
Aqueles que atrapalham!
Não te querendo com sorte

Que ventos te levaram
Quase te sentes derrotado
Se antes te magoaram
Reage aos ventos, que te quebraram

Que ventos te levaram
Que levam a tua verdade
Por aqui passaram,
Deixando a tua saudade

... A NATUREZA QUE ESPELHA JASMIM


Foto © Ró Mar


... A NATUREZA QUE ESPELHA JASMIM


Perco-me pela estrada do teu olhar
E sabes qual é a vera razão de ser!?
Seres tu a multidão daquele universo a inventar
E meus passos pequenos de se ver

Encontrar qualquer breve rabiscar de teu sorriso
É coisa das gentes grandes que nem tu!
Ser eu pálido esboço de um narciso
E tu horizonte, verde papiro, de um tal azul menu.

Perco-me por aqui, naquele agora que nem fim,
Onde tu és parte incerta de qualquer ângulo,
Ainda que florido e até perfumado é traço nulo.

Encontrar qualquer breve planear do teu olhar
É coisa de outras gentes que vêem, mais além-mar,
Pelo âmago a natureza que espelha jasmim.

© RÓ MAR