sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

O PRESENTE DE CORAÇÃO


Imagem – Bellissime Immagini 


O PRESENTE DE CORAÇÃO


Meu ilustre amado tenho um beijo 
Guardado para te dar,
Vens cá buscar ou vou aí levar,
O presente de coração, o desejo!

Loiro amor que trago em banho-maria,
Cruz ao peito e adentro saudade
Que quer ver o teu rosto de verdade,
Vens cá buscar ou vou aí levar, a poesia!

Eterno amor que escreve sem ler
A outra face, tua face, minha flor
De cabelos ao vento, malmequer
Que és alegria assim como tão dor!

© RÓ MAR


NAS ASAS DA SAUDADE


Arte: Anna Marinova Анна Маринова 


NAS ASAS DA SAUDADE


Nesta suave brisa do mar
que me afaga o rosto, 
chega até mim 
o inconfundível perfume
da tua pele, 
nas asas da saudade
do teu rosto…

Hamilton Ramos Afonso


PORQUE NÃO ME TRAZES O TEMPO


Imagem- Bellissime Immagini


Porque não me trazes o tempo


O que o tempo leva
Jamais ele o traz
A verdade a releva
E a mim não satisfaz

Porque ele poderia levar
E nos tornar a trazer
Tudo aquilo que é de amar
E que nos dá o seu prazer

O tempo é mesmo assim
Por muito que julguem que não
É o tempo, enfim
Que me dá essa opinião

Armindo Loureiro 


FUTURO




FUTURO 


Futuro vem até mim 
Transforma minha vida
Num magnífico jardim
Onde vive uma Flor esquecida 
Futuro longínquo e distante 
Transforma este meu ser
Numa vontade itinerante 
De um poema por dia escrever 
Futuro que renegaste o passado 
Transforma este meu novo dia
Num desejo há muito desejado 
Ter o meu coração cheio de alegria 
Futuro de ti não sei absolutamente nada
És uma incógnita do tempo nesta vida marcada 

Paulo Gomes 


domingo, 18 de dezembro de 2016

PALAVRAS



Palavras


Boa tarde, princesa do meu navegar!
Hoje, mais do que nunca, sinto uma vontade imensa de te abraçar!
E de te dizer, sem correr o risco de errar, que te quero dentro de mim para sempre, para quando tu quiseres, mesmo que o tempo teime em nos afastar!...
Hoje, desejo-te em pensamento, em sonhos, em palavras...
Palavras...
Palavras juntas, soltas, pesadas, leves amarras que guardam a voz do passado e julgam olhares do presente...palavras ditas por gente que não sabe o que quer dizer. Apenas sabe que tem de esconder a dor e calar o sofrimento. Por toda a vida, por uma parte dela, às vezes por um só momento. Um só momento que lhes leva a alma e arrasa o esquecimento.
Palavras...
Palavras quentes, frias, loucas, roucas de tanto serem gritadas no peito da nossa ilusão! Palavras que significam tudo ou querem dizer nada, mesmo quando viram canção...trauteadas por vozes gritantes, sussurros alados e rasantes no espaço de qualquer imaginação.
Palavras...
Palavras levadas pelo vento, ao sabor de um sentimento que nasce ali mesmo, bem perto do coração. Junto ao cais da esperança, onde cresce em segurança a força da nossa razão! Sentidas, sofridas, malditas, tão queridas que chegam a ser ditas no chorar da emoção.
Palavras...
Palavras mornas, tépidas, agrestes, silvestres da tanta paixão! Que se soltam e esvoaçam em florestas de solidão, ténues e sombrias mordaças que teimam em deslizar no verde da sua ilusão...um dia de cada vez, como a vida que nos fez teima em querer ensinar.
Palavras...
Palavras caídas no mar, levadas pelo vento que, ao soprar, bem longe as tenta largar, longe de mim e de ti, longe de tudo o que vi, longe do nosso navegar! Destemidas, ousadas, na fúria do tempo guardadas como se o mesmo quisesse, timidamente, parar. Mas o tempo não pode parar. 
Porque o tempo tem pressa em chegar. 
Porque o tempo é um imenso, um infinito e constante...verbo amar!

Mário Filipe Neves


terça-feira, 13 de dezembro de 2016

ROSA AMARELA




Rosa Amarela


As minhas mãos vazias,
estão hoje plenas
do aroma da rosa amarela 
que em nome da amizade
me ofereceste...

As suas pétalas abertas, 
lembram-me as tuas mãos estendidas, 
no gesto de afecto
e quando elas secarem, serão, 
perpetuamente guardadas,
intercalando as páginas 
do bloco onde escrevo, 
os esboços de palavras de ânimo, 
de alento, e de esperança 
que as tuas rosas continuem a exalar o perfume 
da amizade, sem os espinhos que firam as delicadas 
mãos de quem delas tratam...

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

O FADO É COISA TÃO BOA




O FADO É COISA TÃO BOA


Há Fado nas Confrarias
E há quem o saiba cantar
De o ouvir grandes alegrias
Se impregnado de magias
Naquilo que nos querem dar

Ouço muita gente a cantar
Sem sequer ser profissional
É a canção que se quer amar
Em Portugal e por além mar
Canta-se de forma bem real

É o Fado do Marinheiro
É o Fado de quem se quer
Gosto do Fado por inteiro
E na viela espero o cheiro
Da beleza duma mulher

Subo Alfama e Madragoa
Vou ao Bairro Alto e à Graça
Podem crer não é loa
O Fado é coisa tão boa
Quando cantado com raça

E tu que mo cantas assim
Que me encantas o coração
Encosta-te um pouco a mim
Diz que de mim estás afim
És o Fado da minha paixão

Armindo Loureiro 


DOLOROSO PENSAMENTO





DOLOROSO PENSAMENTO 


Sentimento e dor
Dolorosa combinação 
No peito um ardor
Chama viva no coração 

Vidas sem carinho 
Destinos destroçados
Futuro sem caminho 
Amores abandonados

Paixão há muito perdida
Ilusão totalmente ofuscada
Coração já sem batida
Oração há muito desejada 

No rosto uma lágrima sentida
No coração uma dor insuportável 
No passado uma vida perdida 
Na mente um sentimento imperdoável 

Paulo Gomes


sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

SORRISO




Sorriso
 

O teu rosto
iluminado pelos raios de sol 
do teu sorriso 
faz-se-me presente 
todos os dias da minha vida,
mesmo, e sobretudo, 
naqueles que mais cinzentos
amanhecem...

Foi esse arco-íris 
que das terras de bruma me chegou,
enfeitiçando-me e fazendo-me ancorar
a minha alma na tua, 
com a força telúrica 
das rochas basálticas das tuas origens
ou como as lapas se agarram às rochas
para evitarem serem levadas 
pelas ondas revoltas do teu (a) mar...

O teu sorriso de feiticeira
rompeu as brumas
onde voluntariamente me isolara 
e deu sentido, 
de novo à vida... 

CORAÇÕES QUE CHORAM




CORAÇÕES QUE CHORAM


Hoje chorei, senti que lágrimas rolavam
Nestes meus olhos que tinham secado
Hoje choraram, há muito que não choravam
Senti que as lágrimas no meu coração drenavam,
Hoje chorei, as lágrimas outro rumo levavam!

Neste coração, que apenas conhece o amargo da vida
Chorei sentida, minhas lágrimas de emoção,
Porque transbordou meu coração, a lágrima escondida
No meu peito a toda a hora, a mesma palavra sofrida
Que tanta vez repetida, me deixa de lágrima caída.

Hoje chorei, porque o coração também quis que chorasse
Um coração triste e tão solitário, não é feliz,
E aquela lágrima caída pediu, que meu coração amasse
Hoje chorei porque foi o meu coração, que assim quis,
E que me disse nem hoje nem nunca mais a lágrima voltasse.

Aquela lágrima que se escondia no meu peito apertava
Mas eu não chorava, meus olhos secaram, eu não queria
Hoje chorei, mas um anjo chegou e minha lágrima limpava
Hoje chorei, mas o anjo que para mim sorria, me ajudava!
Esse Anjo disse que me amava, e que jamais essa lágrima teria.

Joana R. Rodrigues


NOS TEUS OLHOS… O AZUL DOS CÉUS…


Imagem- Art & Photography 


NOS TEUS OLHOS… O AZUL DOS CÉUS… PERFEITO


Quando olhei nos teus olhos...
Cruzei o azul dos céus...

Vi estrelas... tuas pupilas, um cometa…
Excêntrica orbita...
Planetas que jamais pensaria que seriam meus.

O Mar...
Estava ali, bem perto, e, o sal das ondas a escaldar
Os nossos corpos;

Loucos de desejo...
Nos unimos num só beijo.

Olhos cor de mar,
Gosto a sereia e o vento para voar;
Tínhamos tudo para amar...

Eras doce sericaia e eu o amante perfeito...
E, o sol a nosso favor,
Astro radiante pelas asas d'um vento.

Por um instante o mundo parou.
Estávamos tão perto que os corpos
Se confundiam com águas do oceano,
Uma imensidão 
Que nos atravessou;

Um mar ameno 
Que banhava a alma, d'um jeito que o coração
Só tinha olhos para nós, meu amor...
Perfeito.

© RÓ MAR


quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

A CONSAGRAÇÃO DA AMIZADE




“Aos meus amigos de Nespereira”


Todo o coração humano
Sedento de qualidade
Procura até ao tutano
Uma pérola de verdade.

Nesta Viagem terrena
Por veredas insondáveis
Busca de cena em cena
As virtudes inadiáveis. 

São variados os caminhos
Pelas horas percorridos
Há gestos e há carinhos
Em tais corações amigos.

Tenho olhares, tenho medos 
Que carecem de luz viva
E entre sonhos e segredos
Minha alma está cativa.

Toda a vida é uma ponte
De passagem e de ansiedade
Matar a sede em fresca fonte
Só no prazer da amizade.

Amizade, amor maior,
Meu projecto solidário
És meu destino e valor
Neste horizonte precário.

Amor maior, meu espanto,
Minha flor de raridade,
Tens neste abraço de encanto
A consagração da amizade.

Quero ver-te à minha beira,
Quero ter-te sempre à mão
Nos amigos de Nespereira
Que m´ estão no coração!

Frassino Machado
In AO CORRER DA PENA


AMIZADES NO TEMPO...




Amizades no tempo...


Perdi-me no tempo
Sem tempo
Para o tempo
Mas agora
Neste momento
É tempo
Para um momento
De reflexão
Reflicto no que penso
Reflicto no que digo
E vos digo que no tempo
Há tempo de ser amigo
Ser amigo é uma virtude
Que não cabe em qualquer um
Mas às vezes amiúde
Penso que no tempo
Amigo não é nenhum
Vamos lá ver se encontro
Algo neste tempo
Que me diga logo de pronto
Ó amigo tu és um
Um desses amigos
Que eu tenho por aí
Despertas meus sentidos
Na amizade que eu senti
É bom que assim seja
É bom ter amizades
Este amigo vos deseja
Que vivam essas verdades!

Armindo Loureiro

UMA IMAGEM... MIL SORRISOS




Uma imagem… Mil sorrisos


São palavras 
que saem do fundo do meu coração
são palavras...
de fé e de esperança
são palavras
que se vão espalhando por ai 
são palavras
ás vezes em lágrimas
são palavras
também com gargalhadas
são palavras 
pintadas com carinho
são palavras 
verdadeiramente sentidas
são palavras
que sinto na escuridão
são palavras
escritas pelas minhas mãos
são palavras 
com sentimentos
são palavras
de humildade e paz
são palavras
semeadas de carinho 
são palavras 
plantadas no meu peito
são palavras 
serenas do meu olhar 
são palavras
com amor dentro de mim
são palavras 
cheias de amor escritas por mim
e abençoadas por Jesus. 

Mila Lopes 


segunda-feira, 14 de novembro de 2016

PÁGINA DE LIVRO





PÁGINA DE LIVRO


Sou tudo e não sou nada
Sou o nascer da alvorada 
Sou a brilhante madrugada
Sou a montanha encantada 

Sou a paixão desenfreada 
Sou a vontade inconsolada
Sou a lua nova iluminada
Sou o caminho aquela estrada

Sou o destino, a vida marcada
Sou a doce paixão encapotada 
Sou o poema, a poesia declamada
Sou página de um livro arrancada

Paulo Gomes


QUEM SOU OU QUEM PENSO SER...


Imagem - Rêv-éveillée


Quem sou ou quem penso ser…


Nada sou
Nada quero ser
Se algum dia há alguém de mim gostou
Foi azar, podem crer

Sou um zé ninguém
Que por aqui se passeia
Escrevo coisas que não convém
Onde meu coração se enleia

Mas não obrigo ninguém
A ler o que não gosta
Para mim a escrita é um bem
E também uma grande aposta

Aposto apenas para mim
E depois pode ser para outros
Eu gosto do que faço assim
Mesmo que digam que é de loucos

Peço perdão por obrigar
Alguns a me ler
Quando dizem que não querem amar
E que no que eu faço não tem prazer

Mas apenas me lerão
Aqueles que assim o desejem
Se por ventura colhem satisfação
Isso sim, nunca se aleijem

Palavras podem ferir
Mais até que algumas acções
Entram em nós e no nosso sentir
Há que delas fazer certas reflexões

Reflicto em tudo o que faço
Faço mesmo por reflectir
Mesmo que o tempo seja escasso
No meu eu, tudo quero sentir

É por isso que eu escrevo
A torto e a direito
Se a mais eu não me atrevo
É só pela minha falta de jeito

Mas vou continuar a escrever
Da única forma que sei
Em quadras em que o prazer
É tudo aquilo que vos darei

Armindo Loureiro


sábado, 12 de novembro de 2016

A CALÇADA DA VIDA


Arte: Michele Del Campo Tutt'Art@ 


A calçada da vida

 
A vida, 
esta vida, 
a nossa vida,
é como a calçada das ruas,
onde se ouvem,
indelevelmente,
o som dos passos que demos
em direcção um ao outro, 
tímidos no inicio,
titubiantes diria,
mais confiantes logo a seguir
para se ouvirem apressados
quando as nossas almas se entenderam.

Agora
na calçada 
já não se ouvem 
os ruídos dos teus botins,
ficando apenas a memória
do som dos mesmos
quando te ausentaste de mim,
até se reduzirem
ao ruidoso e profundo silêncio...

Em mim,
ficaram porém
boas memórias.

O perfume da tua pele na minha,
quando celebrávamos o nosso amor, 
em longas sinfonias de paixão.

As marcas que deixaste no meu corpo, 
quando o burilaste e facetaste
com o diamante da loucura do teu corpo
entregue sem baias,
sem tabus,
intensamente ao trabalho de sulcar-me 
e deixar-me exausto
mas pleno de prazer .

E o melhor de tudo,
deixaste a tua alma
abraçada à minha
para todo o sempre...

Hamilton Ramos Afonso

 « Amor como o primeiro...», Chiado Editora

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

A VIDA QUE TE CONTO


Imagem – Belissime Immagini 


A VIDA QUE TE CONTO


Aceita o meu amor em forma de flor
E caminha de mãos dadas com o olor
Da mais pura rosa que um dia conheceste
E vive este mundo e o outro mais celeste.

Aceita este meu regaço de coração largo
E olha as estrelas, vais ver um luar rosa
A cor de meu amor, de mulher formosa,
Sente este meu olhar e dança comigo.

Aceita este meu estar e entra no meu pensamento
Vive este amor, nem que seja por um momento
E lê o que te diz o teu coração em voz alta.

Sente a vibração do teu proferir pela pauta
Que compõe um céu mais diferente, magneto,
E descobre pétala a pétala a vida que te conto.

© RÓ MAR 


domingo, 6 de novembro de 2016

CAVALEIRO ANDANTE DA POESIA




CAVALEIRO ANDANTE DA POESIA 


Em cavaleiro andante inteiro me tornei
Cavalgando no meu corcel de fantasia
E contra ventos fiz-me ao largo em ma...resia
Confiante na bela estrela que almejei. 

Longa terra, ar e mar, procela ou calmaria,
Madrugadas de insónias que enfrentarei, 
Parto na minha Nau, co´ a lira que sonhei
Para chegar ao nobre Reino da harmonia.

Arvoro em meu castelo a ínclita bandeira
Onde escrevi meus versos, naquela odisseia
Que todo o poeta sempre cria ou semeia,
Na esperança de a tornar a sua mensageira. 

Olhei para ti, ó Liriana refulgente
E, vendo-te no horizonte meu a cintilar,
Quis ir ao teu encontro sempre a cavalgar
Até que veja um novo dia à minha frente …

E à luz desta verdade e desta nostalgia
Serei o cavaleiro andante da Poesia! 

Frassino Machado
In JANELAS DA ALMA


sábado, 5 de novembro de 2016

UMA BELA POESIA




UMA BELA POESIA 


Nas profundezas dos oceanos 
Busquei o mundo perfeito
Livre de mentiras e enganos
Em que o Amor fosse eleito 

Mergulhei intensamente sem parar
Tinha no coração a vontade indomável 
Um desejo enorme de poder encontrar 
Essa fonte de felicidade inesgotável 

Quanto mais mergulhava no mar profundo
Mais sentia a tristeza e o desgosto do mundo
O Amor havia sido complemente abandonado
Já não havia um único coração apaixonado 

Queria reinventar o Amor na humanidade 
Escrevendo quadras soltas repletas de magia 
Em catapulta, em tal número, em tal quantidade 
Para que a vida fosse apenas uma bela poesia

Paulo Gomes

PERFUMAS O MEU CAMINHO





PERFUMAS O MEU CAMINHO


perfumas o meu caminho
no odor com que me banhaste
rasto suave de alegria
em que agradeço e nem me afasto! 

não te quero a branco muito menos a negro
não te quero forma muito menos silhueta e sombra
não te quero grito muito menos silêncio

nem te quero nem não te quero 

não te quero incolor muito menos arco iris plantado
não te quero disforme muito menos fluído casual
não te quero som nem surdez fria e trivial

te quero sem te querer 

numa folha simples e possa beber
o tacto suave das tuas mãos
molhadas pelo brilho de te ver

© Ana Carvalhosa

JÁ FUMEGA...


Imagem - Bellissime Immagini


JÁ FUMEGA...


Já fumega e não vêm da chaminé,
O doce lar e o cheirinho a café...
Escuta-se o sopro do vento desnudando as árvores,
Encolhem-se as cortinas e abre a rota de sabores!

Há um leque de especiarias para adornar os dias,
Nós e os demais confetes que há pela cozinha,
O doce lar e o amor a outras poesias
Engrandecem os dias e abre a rota que nos sonha!

Já fumega e não é que vêm do coração,
O doce lar e o que há pela imaginação
Vestem os arbustos de folhas coloridas!

Há um leque de perfumes suaves pelo ar,
O doce lar e o outono que vem nos habitar,
Abrem-se os portões às chuvas miudinhas!

© RÓ MAR


GUITARRA, DEIXA-ME OUVIR-TE...


Guitarra Portuguesa- Rui Castro Lobo


Guitarra, deixa-me ouvir-te…


Cobre-te com teu xaile
Não deixes teu peito à vista
Na noite se vamos ao baile
Coloca sempre o teu xaile
Pois a olhar há quem insista

E se toca uma guitarra
Tu ouve-la como deve ser
Jamais faças uma farra
Ao ouvir uma guitarra
Ouve-a sempre com prazer

Se por ventura sabes cantar
Aproveita esse momento
De alguém que sabe tocar
E põe a guitarra a trinar
Com todo o sentimento

Do bom fado tenho saudade
Gosto tanto de o ouvir
Essa é que é a verdade
Que me dá grande vaidade
E também um belo sentir

Toca guitarra, deixa-me ouvir
Esse teu som maravilhoso
De te ouvir é o meu porvir
Na beleza que quero sentir
Num trinar de tão airoso

Armindo Loureiro 

AS FLORES E EU




AS FLORES E EU


Fui ao encontro de mim
quis saber os meus passos
encontrei-me num jardim,
onde senti teus abraços...

colhi flores divinais
lírios e rosas em marfim
lindos arranjos florais,...
fui ao encontro de mim.

em caminhos desbravados
encontrei lindas flores,
receando que fossem cardos
encontrei as mais belas cores

Como um jardim de Primavera
e as lindas cores de marfim
quis saber bem quem eu era
fui ao encontro de mim.!!

Perdida no mais belo jardim
eu vi as rosas mais belas
procurei em todas elas
encontrei a flor, que há em mim

Joana R. Rodrigues

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

PINTO-TE COM ESMERO...


Gold Art - Vladimir Kush


Pinto-te com esmero…


É na educação pelas artes
Que eu me sinto rejuvenescer
Por muito que tu me traces
São riscos que me dão prazer
Há equilíbrio e intensidade
No traço que é feito assim
Um traço onde a verdade
Faz com que dele eu esteja afim
A Pintura como tu dizes
Voa no nosso pensamento
Dá.me dias tão felizes
Num olhar com sentimento
Teu corpo ganha vertigens
Quando assim é pintado
No teu olhar são esfinges
Num amor que te é dado
Revela-me o corpo que tens
Diz-me lá se não vale a pena
Rezar-te aqui os améns
Na beleza desta cena
És a mãe natureza
Que eu quero preservar
Num esboço em que a beleza
Salta aos olhos do meu amar

Armindo Loureiro

DOCE BEIJAR


Imagem - Bellissime Immagini 


DOCE BEIJAR


A beleza natura que perpétua o luar,
O gesto alfazemado que prendo em mão,
Tem o brilho de um olhar rés ao coração,
Tem o nome que mui amo recordar.

A frescura dos dias, semeia mui ventos
Que inspiram outros mais que momentos,
Tem a cor vinculada de um certo arco-íris,
Tem o pronúncio que sempre condiz.

A simples flor do ser, que se multiplica,
Tem carisma, que um dia será meu luar,
Que perfuma sempre os dias e os triplica.

A paixão que se adivinha, entrelinhas,
Tem o sonho que um dia verá estrelinhas
Que contam os dias em doce beijar.

© RÓ MAR


quarta-feira, 2 de novembro de 2016

LETRAS DE MAGIA




LETRAS DE MAGIA


Caminhei por onde não devia
Escutei o que eu não queria
Escrevi letras de muita magia
Ensinei toda a minha sabedoria 

Dediquei-me a quem merecia
Esforcei-me com muita alegria 
Ouvi os Sons do nascer do dia
Sentei-me porque já não me sentia

Embarquei ao nascer do dia
Cavalguei num mundo de magia 
Senti na minha mente sabedoria 
Amei realmente quem nunca pensaria 

Iluminei-me com a luz do novo dia
Apaixonei-me com numa fantasia 
Pedi o que nunca na vida pediria
Rebaixei-me a quem nunca rebaixaria

Gravei no meu coração uma poesia
Pensei ser a mais famosa um dia
Imprimi sem parar, a impressora imprimia
Beijei tanto que meus lábios não sentia

Paulo Gomes


sexta-feira, 28 de outubro de 2016

METADE DE MIM...





METADE DE MIM...


Metade de mim anda por aí perdida
A outra metade está em mim esquecida!
Uma virou o mundo do avesso para te encontrar
A outra metade desfaleceu de tanto amar.
Ficou acorrentada aos teus sonhos
Tentou limpar as lágrimas que lhe corriam dos olhos!
Não percebeu a mensagem da tua alma
quando o amor lhe disse para ter calma...

Metade de mim chamou por ti
e julgando ter-te ouvido
deixou-se vencer pela paixão....

Perdi a metade de mim que ficou no passado
Agarrada a um sentimento que estava errado.
E não sei da outra metade
que desiludida apanhou um avião rumo ao sonhos do futuro!

Que será de mim, sinto-me incompleta.
Nada sobrou do que já fui!
Não me encontro no que agora sou!

Procuro-me e não me reconheço
Se me encontrares traz-me de volta, eu agradeço.
Porque metade de mim é dúvida
e a outra metade vive de incerteza...

Perdi-me em ti e não mais me achei
Encontrei-me no amor e nas lembranças que de ti guardei.
Sou uma sombra que veste este corpo
Onde a metade do coração enganou a metade da alma
Onde metade de mim chora
Pela metade em ti que se foi embora e tanto demora!

Se me encontrares por aí
Segura-me e manda-me voltar para mim...
Ignora o que um dia senti
E manda-me esquecer o que nunca existiu!
O meu corpo foi teu, mas o coração nunca
A minha alma ficou esquecida em ti
Manda-a de volta antes que seja tarde!

Angela Caboz


TELA COLORIDA





TELA COLORIDA


Dá-me a tela que de mim pintaste,
Dá-me o sonho nela contida,
Dá-me um pouco da cor que misturaste
Dá-me essa tela, para dar cor à minha vida.

Quem me dera ter cor na minha vida,
Ter o sorriso tal como os amores,
Ter uma vida que fosse tão colorida
Como é um lindo jardim de flores.

Dá-me a tela que de mim pintaste,
Deixa que eu possa ficar com vida,
Dá-me essa tela que um dia sonhaste
Ver-me feliz numa tela colorida.

Seria feliz se a tela me ofertasses,
Com as cores mais belas da vida,
Que nessa pintura misturasses
A cor da alegria quase já esquecida.

Joana R. Rodrigues

O SOM DO SILÊNCIO




O SOM DO SILÊNCIO 


Num suplico de um som
Um silêncio quase mortal
Viver é uma arte um dom
Uma obra prima pura e divinal

Digna de um museu de pintura 
Produzida pelo melhor pintor
Como se fosse a mais bela escultura 
Esculpida pelo mais famoso escultor

Mas neste silêncio tão intenso e profundo
Apenas o som do vento como uma melodia
Como se fosse o único som neste mundo
Para me motivar a escrever esta linda poesia

Fecho os meus olhos em pura meditação 
Inspiro-me no som deste silêncio total
Oiço o bater muito forte do meu coração 
Escrevo letras, palavras sem princípio nem final 

Paulo Gomes

É DOCE A CHUVA DE OUTONO




É DOCE A CHUVA DE OUTONO


é doce a chuva de outono
onde escorrem poemas
na liquidez prateada de flores imaginadas...
é calma esta maturação feita de frutos e de lágrimas
abraçadas por não sei que brisa ou ventania...
e há um piano irreverente
cheio de dissonâncias agrestes
que faz dançar as folhas dos plátanos...
no húmido verde vegetal
de ouro e roxo pincelado
escrevo um poema solto
um poema que cresce como um cogumelo
debaixo da sombra cinza
de um sol oculto...

serenamente outonecer...
e partir da alma migratória
em busca de um rumo qualquer
sem certezas...
estar certo é o pior limite
para quem quer outonecer com sabedoria
neste tempo infinito
que não tem sequer geografia...

r.r. - Rosa Ralo

CHEIRA A OUTONO DE GENTE BEM-AMADA!


Imagem- Belissime Immagini


CHEIRA A OUTONO DE GENTE BEM-AMADA!


Cheira a outono de gente bem-amada!
Relva molhada, terra almofadada
De mil folhas, dulcineia, sorriso ao luar
Tem a memória de criança a sonhar.

Pela alma vai e vem o vento de momentos,
Pelo coração acende a labareda de intentos,
Salpica a chita colorida de verdes olhos,
Chuva miudinha, oceano franzino aos folhos.

Chapéu à beira-mar, o sorriso ao luar
Cheira a outono de gente bem-amada!
Ao rubro da natureza vinga o olhar,

Ao sabor da estação embala petiz coração,
Centelha belisca ideia de mil folhas, estrelada
Grita aos ventos o outono em tom de canção.

© RÓ MAR


sábado, 15 de outubro de 2016

O VIVER DE UM POETA




O VIVER DE UM POETA 


O viver de um poeta 
É um carrossel de emoções 
Tudo ao seu redor o afecta
Sente no ar todas as vibrações 

O viver de um poeta
É composto por sonhos e fantasias 
Com uma mente inspirada e aberta
Para escrever as mais belas poesias

O viver de um poeta
É dor e o mais puro sentimento 
Escreve com a pontuação correcta 
O som da chuva e o soprar do vento 

O viver de um poeta
É sentir diferente com muita intensidade 
Escrevendo poemas sem parar com a caneta 
Sobre a paixão, a distância e a dolorosa saudade 

O viver de um poeta 
É sentimento à flor de pele, sonhando acordado
Sabe que um dia terá a inevitável morte como certa 
Vive cada segundo, cada hora totalmente apaixonado

Paulo Gomes

PRIMAVERA ANTECIPADA


Arte de : Claudia Mckinney


Primavera antecipada


Nesta luminosa manhã de Inverno,
bem cedo entrou pela janela do meu quarto
a Primavera antecipada, 
no intenso brilho de um sorriso, 
com o perfume das terras de lava e de bruma,
transformando-se no cálido e perfumado alento
para um dia onde florescem girassois no sorriso,
com que te retribuo o gesto...

Hamilton Ramos Afonso

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

A LUA E AS ESTRELAS





A LUA E AS ESTRELAS


Hoje queria ser a lua
E ter sempre o teu amar
Queria tanto,o teu brilhar
Como aquele que tem a lua

Serei tua eternamente
Como o brilhar é da lua
O meu brilhar é diferente
Mas não deixarei de ser tua

Amar-te .hei eternamente
Porque tu foste o meu brilhar
Não foste um luar somente,
Hoje és uma estrela a cintilar,

Neste luar de brilho intenso
Há uma luz que me ilumina
Neste nosso amor imenso,
Há um Deus que nos aproxima,

Quando à noite olho para o céu
E vejo as estrelas a piscar,
Olho, como se o céu fosse todo meu
E começo, minhas estrelas a contar.

Joana R. Rodrigues

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

AMAR-TE É... TOCAR-TE!




amar-te é... tocar-te!


pelo teu corpo deslizar
como nuvem no céu
sentir os sulcos no vento...
sem saber que direcção tomar
distinguir-te no uivo leve
e como pena flutuar
mesmo que de olhos fechados
sob as gotas transpiradas 
do teu aparo a sufocar
os grunhidos pingados
na folha a transbordar
em letras que emanam
o odor de te amar

©Ana'Carvalhosa 


QUERO AINDA




Quero Ainda


Quero sempre e quero ainda
O prazer de ser adorada pela manhã
Saber que a vida tem horas tristes...
Mas têm a hora que tu me ristes...

Têm essa agora outras mais lindas
Quero meu tempo hoje e quero já
Quero cantar livre feito um sabiá
No laranjal, no pessegueiro...
Na amoreira em São Paulo 
Ou n'outro lugar...

Quero o tempo da chuva, do sol ou sei lá
Quero é ir á Marte num Zepelim conversível
Permanecer mais leve que uma bolha de ar 
Ou andar de balão nos devaneios sem fim...
Quero segurar-te a mão e roubar-te o olhar
Quero divagar pela lentidão de nós e de mim...

Num passeio num transe atlântico
Sussurrar em teu ouvido, meu segredo tântrico
Me inspirar fora de hora na madrugada
Sorrir de bobeira com meu par romântico
Me cobrir de orvalho crepusculada...

Ouvir o som d'aurora como agora ouço...
Ouvir meu nome na voz do passarinho
Soletrada na ponta da língua na boca do moço...
Ouvir o pardalzinho que lá fora canta
Quero eu cantar teu nome num gemido...
Dizer sônico com sonoridade de mantra
Fazer sentido em todos os sentidos...

Saber que sou tua mulher...
Que o destino planeja
E não tenho nem uma obrigação se quer
Com quem quer que seja de ser 
Que me deseja ou acalanta e me vê
Me vestindo de pureza e véu de santa..
Quero sempre ser eu e quero ainda
O que sempre me faz querer...
O céu...
Quero tudo e quero mais
Saber-te Amor e sentir-me em Paz...

Son Dos Poemas 
Sônia M.Gonçalves