quinta-feira, 31 de julho de 2014

HÁ MOMENTOS...



Arte: Augusto Rodin


Há momentos...


 Há momentos tão nossos 
 em que as palavras se calam, 
 por desnecessárias
 e deixamos falar a ternura,
 o carinho, o amor
 e então escrevemos 
 um no outro , o mais
 belo poema mudo
 nos nossos perfumados 
 corpos a golpes de paixão...

 Há momentos tão nossos 
 que os gestos calam
 as palavras e ouvimos 
 a mais bela melodia
 dois corações a bater 
 compassadamente...

 Hamilton Ramos Afonso.


quarta-feira, 30 de julho de 2014

OPINANDO…


Imagem - Bellissime Immagini


OPINANDO…


Opinar sobre ti é corcovar o mundo
Perante o meu ser… fazer o pino
E ir até à falésia circundante
Pelo cristalino olhar de quem teima
Esquecer o teu complexo ao segundo.

O minuto em que estou lá são sessenta
Segundos que não penso em decifrar-te;
São outras cousas, tais que a natureza
Me eleva pelos ares ao outro vento;

Vento de minutos que é eternidade,
Tal que quando me reviro o mundo
Teu está lá, e, eu nem tinha percebido,
Pois, viajei pelo universo numa outra alma.

O vento bateu forte, tal a saudade…
E, neste meu pensar trôpego e gigante
Não te quero decifrar, quero amar-te
Pelo minuto, tal o da natureza.

® RÓ MAR


LEMBRANÇAS BEM PRESENTES...


Imagem - net (autor desconhecido)


Lembranças bem presentes…


Palavras que vou dizendo
Depois de as tentar juntar
É um erro que vou cometendo
Pois não sei se te estou a amar

Sinto em mim tais arrepios
Quando as quero a ti dizer
São temas de tão frios
Do amor que me dá prazer

Lembro-me assiduamente
Daquilo que me dizes
E não o tiro da minha mente
Porque sinto que sóis felizes

Tenho saudade do teu abraço
Tenho saudades muitas de ti
Mas o tempo de tão escasso
Sabe que em ti eu não morri

No silêncio do teu sorriso
Ouço palavras amorosas
E assim perco o juízo
Nessas dicas tão jeitosas

Cubro-te com o manto da verdade
Lembro-te todo o meu sentimento
Num abraço de real saudade
Vai a verdade deste momento

Jamais te poderei esquecer
Por muito que julgues que sim
Ter-te assim foi o maior prazer
Porque te perdeste assim em mim.

Armindo Loureiro 


terça-feira, 29 de julho de 2014

PAISAGEM EMOCIONAL



Imagem - Pavel Mitkov


PAISAGEM EMOCIONAL


Quadro pendurado na parede
repousa em mim.
Contemplo sua imagem
que se move conforme o tempo;
estado do que se passa em mim.
Vejo campos e riachos,
outras horas mares enfurecidos,
ondas que me atormentam.
Vejo gente praguejando sem parar,
outros inertes à onda que passa,
um ou outro levados pela crista
que na praia arrebenta.
Vejo namorados abraçados na areia
como o mar que beija a praia.

Fernando Figueirinhas


GIRA- GIRA... GIRASSOL...


 Imagem - Jackie Mangione Art Studio



GIRA- GIRA... GIRASSOL...


Gira- gira... girassol...
Bebe água pela fonte da certeza
E alumia as pálidas paredes de vida;
Reverte-te à luz do sol
E vive toda a sua profundeza.

Gira-gira... girassol...
Pinta a tua majestosa beleza
Ao ar, em cores múltiplas de aguarelas,
Refinando os tons às tristes janelas
Pelo dulçor das cortinas ao arrebol.

Gira-gira... girassol...
Devagarinho e em toda a destreza
Pelo parapeito que definha vida
E eleva-o ao teu jeito de real alteza;
Tal ele seja estrela tão igual ao Sol.

Gira-gira... girassol...
Bebe água pela fonte da certeza
E alumia as pálidas paredes de vida;
Tal e qual um astro de vela acesa
Pelo mundo que espera o nascer do sol.

® RÓ MAR


SERÁ QUE ESTOU ACORDADO?


Imagem - Marc Chagall


Será que estou acordado?


Há dias em que, mal acordo
Mais parece que não dormi
Mais parece estar a bordo
Desse amor que eu senti.

Sonhei com ele acordado
Dormindo assim aos poucos
E no sono que me foi dado
Só tive pensamentos loucos

Mas bendita essa loucura
Que me faz sonhar acordado
É por ti… Ó bela formosura
E pelo amor que me foi dado.

Um dia quero assim adormecer
Nesse dito sono dos justos
Lembrar todo o meu prazer
Nesse amor sem quaisquer custos.

Lembrar-te hoje e para sempre
Tal e qual o que vi a sonhar
Jamais tirar da minha mente
Essa visão do meu amar.

Armindo Loureiro  

SERENIDADE





SERENIDADE


 
Nesta caminhada 
em direcção 
de um para o outro
com o caminho recheado
de escolhos
algumas incompreensões
de parte a parte
atingimos a serenidade
baseada na ternura,
carinho,
cumplicidade
mas sobretudo 
pelo respeito
das diferenças
que todos temos...

O que a força de um abraço realiza...
...retirando do caminho
as pedras que nos faziam
desviar-nos do rumo certo
retomando o caminho
agora atapetado pela ternura
perfumado pelos aromas do carinho
iluminado pelo seguro
farol dos nossos sorrisos... 

Hamilton Ramos Afonso

 

domingo, 27 de julho de 2014

NÓS...


Arte : Igor Morski


NÓS... ( Excerto 3 )


( ... )

Dois braços estreitam 
dois corpos
juntando dois peitos
onde batem dois corações
em sintonia
movidos pelo desejo
de duas almas que 
celebram a alegria 
do amor...

Alheios ao que se passa
em redor, há dois seres
que se amam que o dizem
de forma despudorada 
entregando-se ao deliquio
da celebração do afecto
que dá largas ao desejo
de provar que nada 
pode evitar a celebração
e a sagração das suas bodas... 

Hamilton Ramos Afonso

DEFINITIVAMENTE, SÓ


Imagem - net (autor desconhecido)


DEFINITIVAMENTE, SÓ


Definitivamente,
só,
coloco o olhar na lua,
eu que pensava ser tua,
nela tenho a companhia,
vigia-me noite e dia,
fiel amiga, no degredo,
também está só, mas sem medo,

e o que antes era segredo,
é hora de partilhar,
tenho medo de não a ter, 
ao acordar...
medo que se canse de me amar,
medo que parta por medo,
de não poder ter luar.

abraça-me sempre que pode,
e toca-me com o olhar,
e o amor que sente explode,
deixa estrelas, ao passar,
estrelas que piso sem vê-las,

são o meu chão, 
o meu caminhar...

rosamar


sábado, 26 de julho de 2014

O MEU OLHAR... ERAS TU!


Imagem - Bellissime Immagini


O MEU OLHAR... ERAS TU!


Era tarde, quase noite, um breu de bramar ao céu;
Um vento cinzelado, que ligava o horizonte de norte a sul;
A paisagem, uma névoa que não se decifrava...
Mas, éramos felizes, o jardim estava lá, 
Naquele abraço ao vento de um amor, que era tudo; Um ilhéu
Que nossos olhares conquistaram; Um azul
Infindável que fermentava 
Aos poros ávidos de esperança.
Hoje, o jardim está lá, 
Só, ao Deus dará, já não é jardim,
Falta nele a semente que o maravilhava!
Era um dia tempestivo, mas nós estávamos lá e unidos.
Hoje já não, não consigo enxergar 
Flor alguma naquele pedaço de terra desabitado;
Vejo-o, vejo-me, só, um ermo, projecto de jardim 
Que não tem como germinar...
Não, não tem, faltas lá tu!
De que me vale a lembrança!?
O olhar já não é nítido, vejo cinzas desbotados,
Porque te perdi pelo caminho, o meu olhar.. eras tu!

® RÓ MAR


ENCONTRO DE ALMAS




Encontro de Almas


 Neste encontro de almas
entre a minha e a tua,
resultou um melhor conhecimento
de mim próprio.

Perante ti,
o meu amor por ti
cumpre-me
e caminho
no meu interior
libertando-me
para o amor, para ti.

Meus pés
Aprendem
o longo caminho,
meus olhos
bebem o teu rosto
e as minhas mãos buscam-te
sem cessar, procurando as tuas
para se entrelaçarem,
num gesto
de bem querer,
adiado pela distância
e alimentado
pela saudade de nós.

O meu abraço,
adiado,
quer-se presente
para deixar em ti
as raízes do enleio,
feito hera
em luxuria de cores
e cheiros.

E em ti
beberei, finalmente
os sucos da fruta fresca
no ansiado cálice
dos teus lábios.

Hamilton Afonso


SUSSURROS



Sussurros

Ouço a tua voz que me acaricia com versos de amor
através do vento que sussurra
na fragilidade do meu ser
embalando os meus sentimentos
por alguns momentos.
Nos meus ouvidos
ecoa a tua poesia,
como por magia,
ouço-te dizer que me amas
na forma de um verbo de amor infinito
no final de mais um dia.
Tudo o que me dizes
é musica para a minha alma

e nestes sussurros me perco e me encontro

enquanto sonho acordada
no meu leito deitada.
Sussurra o vento que bate na janela
fazendo a tua voz presente
e sinto o coração a palpitar
numa louca ansiedade
de amor e saudade!

Paula Delgado



quinta-feira, 24 de julho de 2014

MENTE QUE NÃO MENTE...


Lincoln Harrison Photography 


Mente que não mente…


E eu que me pensei
Um ser diferente
Agora é que eu sei
Que o que sei sai da mente
Uma mente mentirosa
Que me engana de vez em quando
Mas há quem diga que é famosa
Porque tudo vai memorizando
É uma mente não demente
É uma mente pura e sã
E essa mente, ninguém desmente
Porque o que tem não é coisa vã
Brilha e ofusca ao mesmo tempo
Dependente do que se diz
Inebria-me naquele momento
Em que a ouvi-la me sinto feliz
É a mente dum cidadão
Que vive em comunidade
Fala, fala, é só paixão
E depois sente saudade
Na saudade vai-se vivendo
Pensando na brincadeira
E a mente vai fenecendo
Por manter a sua asneira
Foi assim que eu pensei
Foi assim que eu escrevi
À mente tudo eu dei
Da vida que já vivi.

Armindo Loureiro 


NUDEZ




Nudez
 

Suavemente,
lentamente,
despoja-me,
das vestes
que a minha nudez
tapa

Arrasta-me
para o nosso ninho de amor
e sem pudores,
submete-me
usufrui do meu corpo,
como te aprouver...

Transforma
a minha fúria selvagem
fruto da minha paixão
pelo teu corpo
na mais dura submissão...
e algemado
possui-me,
navegando o meu corpo
trespassando-o
com vigor,
até que
a teus pés
eu seja
o mais submisso
dos amantes...

Hamilton Afonso


OS SILÊNCIOS NÃO FALAM




"OS SILÊNCIOS NÃO FALAM"


Porque não falam os silêncios?
Porque se escondem no passado
Onde mora a difusa claridade!
Atormentada no lamento,
Do vento em noite de tempestade.

Porque não falam os silêncios?
Da chuva que bate no telhado
Do azul sol de Maio,
Da esperança e da alegria
De tanto sonho sonhado.

Porque não falam os silêncios?
Do pôr do sol nos pinhais
Dos grilos de capa negra 
A cantar de noite nos trigais.

Porque não falam os silêncios?
Da água a brotar dos montes
Das flores a abrir o seu botão
Dos frutos verdes a pintalgar,
Da noite iluminada pelo luar
Dos chocalhos das ovelhas
Quando a madrugada chega a cantar.

Margarida Fidalgo

O TEMPO É BREVE…!


Imagem - Karina Llergo Salto Art


O TEMPO É BREVE…!


Gira a terra em torno de uma revolta compulsiva,
Contornando névoas de tão abismo…
Um mar tempestivo, um ar que sufoca as gentes!
O sol é um catolicismo
E a vida a ossada que sustenta as combalidas almas.

O tempo é breve e a fúria sucede efusiva
Pelo labirinto sem saída!

Gira a terra em torno de um torvo ciclone
Que enfada os que ainda são almas
E sucede-se o cânone
Do velho Adamastor…
Não se sabe se desta restará
A epopeia para a posteridade!

O tempo é breve e não deixa saudade!

Gira a terra faminta de um pingo de amor,
Trémulos corpos são estrato de dor
E é a esperança que serenará!

O Tempo é breve e não chega a ser vida!

® RÓ MAR


quarta-feira, 23 de julho de 2014

FRÁGIL MEMÓRIA



Imagem - Omnipresence - Kyrah de Wit


FRÁGIL MEMÓRIA


Nesta frágil memória
vagueio como ave sonâmbula,
escorraçada do ninho
que um dia foi leito
acolchoado de penas de cisne branco.

De regaço vazio, e mãos sofridas
navego nas sombras perdidas,
de boca calada a dobrar as esquinas
na companhia da lágrima com pressa de partir...

Esvaiu-se o rumor da noite
junto das paredes de granito,
onde vou deixar meu grito
prelúdio de tempestade,
onde mora a saudade 
coberta de manto sem cor
a que eu chamo saudade,
saudade apenas, sem dor.

Margarida Fidalgo

A CAMINHADA DA LAPINHA


 
Imagem - Frassino Machado


A CAMINHADA DA LAPINHA 



“Aos peregrinos da Lapinha”

Vieste à clara luz no seio das penedias
Reclamando aos humildes a Tua existência
E foste para eles a vida e a clemência
Num oceano de Fé, de louvor e alegrias.

Contrariedades, malefícios e epidemias,
Negras fomes e secas e vil maledicência,
Miséria de colheitas e do pão carência,
São os reclamos, sem nenhumas fantasias.

Sublimaste nos simples a Tua identidade
Erguendo a Caminhada repleta de paixão
Naquele vizinho vale do coração do Minho.

Num rio de cantares e de terna ansiedade
Tens feito levantar solidária devoção
Trazendo à pedra Senhoras d´ outro caminho…

Senhora da Lapinha, à entrada do Verão,
Levas contigo os povos, as Virgens, a Nação!

Frassino Machado
In ODISSEIA DA ALMA


A COR DOS MEUS DIAS



Arte : Jacques Guignard - Tutt'Art@ (40) 


A cor dos meus dias


 A cor dos meus dias
tem o brilho
das estrelas
que vejo no teu olhar
do arco iris
que se desenha
no teu sorriso
e da fruta fresca
que colho,
avidamente
nos teus lábios…

A cor dos meus dias
tem o cheiro a coco
da tua pele,
o calor
do teu abraço
e do teu corpo
fremente de desejo…

Hamilton Afonso


NOS CANTOS DA VIDA...


Imagem - All is LOVE 


Nos cantos da vida…



Nesse canto, que encanto
Se apenas eu e tu
Cobrir-te com o meu manto
E adorar teu corpo nu.

Adoro-te à minha maneira
Quando te vejo ali ao canto
É superior a nossa brincadeira
E em meus olhos é só espanto.

É um espanto descomunal
Por te ver assim ao lado
Tens um corpo tão divinal
Quando o canto me é dado.

Tu te dás assim a mim
Nesse canto de tal encanto
E eu gosto que seja assim
Gosto de ti… Eu gosto tanto.

Quero degustar o teu encanto
Nesse canto ou noutro qualquer
Deitar-te ali sob meu manto
Fazer de ti a minha mulher.

És a mulher que me encantas
Não o digo de qualquer maneira
Vejo por aí algumas santas
Que me pedem uma só asneira.

Respondo-lhes com outra
Se é que elas o atingem
Minha alma fica louca
E no canto a afligem.

Mas que raio de aflição
É esse meu sentimento
Quando repleto de paixão
Fica à espera do momento.

Armindo Loureiro  


ÊXTASE SENTIMENTAL


 Imagem- All is LOVE 


ÊXTASE SENTIMENTAL



Amo-te neste silêncio de palavras, 
voz do pensamento que ouço,
som que sai do peito, 
gemidos de alma aberta.
Amor em trânsito sufoca 
o ar que entra e sai,
espectáculo inédito sem plateia,
murmúrios afoitos ao sentir.
Quebram-se todas as correntes,
espalham-se rumores do acto, 
sentimentos proclamados 
em voz alta. 
Festa agitada em nossas mentes, 
quando chega o momento esperado 
na graça do amor feito. 

Fernando Figueirinhas


segunda-feira, 21 de julho de 2014

CHUVA...


Chuva…


As lágrimas dos céus que se desprendem
em forma de chuva,

agua benfazeja,
é acolhida de forma sôfrega
pela terra seca,
como uma mulher acolhe
as caricias do seu amante.

O cheiro a terra molhada
que inebria os sentidos
lembra o cheiro almiscarado
do corpo e da pele desprendido
pelos preparativos do acto de amor carnal

Depois a terra oferece-se desejosa,
às mãos experientes e calejadas de quem,
com muito amor, e carinho a amanha,
a semeia e cuida para que esta se multiplique
em frutos que se transformarão
no nosso pão de cada dia.

Hamilton Afonso

domingo, 20 de julho de 2014

AMIGO…


Imagem - Bellissime Immagini


AMIGO…


Amigo é aquele que não se acanha de amar na hora certa;
O que está sempre perto e mais perto quando estás carente!
Amigo é aquele que dá a cara e mostra ao mundo
Que te ama de verdade, não o que joga por interesse!

Amigo é muito mais que um valor é um ente
Que vive contigo sempre, mesmo que distante
Está sempre de coração e alma no teu mundo.

Amigo é uma face tua que é vida
Em todo o ser que amas e que queres ver crescer!
É muito mais que um simples dizer, é um olhar
Cúmplice de tantos afazeres que são laços humanos de se ver!

Amigo que estás por ai, ou aqui tão perto, um alerta
Que não vais levar a mal! - Sou tua amiga mesmo sendo tu quem és,
Pensa que o mundo seria melhor se tu fosses diferente do que és!

Amigo, olha… eu só te quero amar;
Lembra-te sempre que há um mundo que te ama;
Lembra-te sempre de comtempla-lo com o que há de melhor em ti.

Não queiras ser o rei do mundo e o deus de ti
Sente e dá a conhecer ao mundo
Os reais sentimentos que há em ti,
Liberta-te dessa teia que a vida tece, ama-te e ama!

® RÓ MAR


NOVAS MARÉS




NOVAS MARÉS


Novas marés surgiram em mim
vontades diferentes
um desejo infindo de amar
um sentir maior de ser amada
mas calmo 

dividido entre o muito querer

o saber ser e ter 
quando for o momento
um crescer onde me afundo
e navego
e caminho
e ando...sem parar
sem desfalecer

E atenta, espero

e calma, sorrio
ou choro
mas que importa o estado de fora 
se por dentro nasce em mim outra aurora

E eu espero
e aprendo a ser
escuto a minha alma
e amo cada segundo que agarro com as mãos
que prendo no meu peito
que seguro afoita no meu coração.

Inês Maomé

sábado, 19 de julho de 2014

NUNCA É DEMAIS


NUNCA É DEMAIS


Falas tanto de amor, dizem-me.
Porquê tanto?
Amor é destino; foi, é, e sempre será.
Nada mais sou que um dia não tivesse sido,
fui amado por aqueles que não conheci,
que tiveram amor por outros que haviam de vir.
Viam ao longe, além do tempo, que o amor persistia.
Fui amado por quem vi, estacas cravadas na casa-mãe,
espírito-herança de campos virgens.
Houve um primeiro antes deste, obreiro de canto inacabado
cujo lema é contínuo. Escondem-se as palavras,
agora mostradas em seres que vivem.
Outras virão em nome daqueles que a saudade levou; 
Algo há que houve e que fica além da vida.

Fernando Figueirinhas


sexta-feira, 18 de julho de 2014

DESEJO






DESEJO


 Queria-te nos meus braços
num abraço de ternura
para sentir de novo
o teu corpo tremer de emoção
a emoção da entrega , sem limites
do meu coração, da minha alma
sentir a força dos teus braços
rodeando o meu pescoço
cabeça bem encostada ao meu peito
ouvindo atentamente 
o galope do coração 
gritando-te o meu amor.

Queria caminhar contigo, 
pés nús, 
calças arregaçadas,
pela areia negra daquela praia
isolada, pelos trilhos difíceis 
de percorrer, enlaçados
sentindo a branca espuma do mar
bem sereno a abençoar 
o nosso afecto.

Queria ter-te de novo e
para sempre acolher-te 
no meu colo e
com ternura 
entregar-te o meu sorriso
para que se fundisse no teu
transformando-os
no mais intenso dos faróis 
a iluminar os nossos passos
que em uníssono caminharão
ao longo das veredas da vida.

Hamilton Ramos Afonso

ENTRE OS DEDOS…


Imagem - Voyage au coeur de l'Art - Travel to the heart of the Art



ENTRE OS DEDOS… 


Entre os dedos escapam tão vazios,
Risadas que não têm nada…
Ocos são estes dias… loucos pavios
Da vasta jornada que tem a vida.

Algures, ouve-se o céu a brilhar,
Risadas que não se olham, ligeira
Névoa de um qualquer raiar…
Porque a vida é uma enorme canseira.

As lágrimas descaem num silêncio profundo…
Tão silente que nem se sente, risadas
Que entre os dedos madrugam, deleitadas
Pelo poço que é tão largo quanto profundo.

Entre os dedos unge-se a correnteza
Que têm estes dias, loucos de certeza…
Não se vê nem se sente nada…

Somente uma réstia
Saudosa que embate entre os dedos à poesia.

® RÓ MAR


BEIJO-TE ASSIM...


Imagem - Jessica Banes  


Beijo-te assim…


Com a tua face encostada
Ali junto ao meu rosto
Vejo uma luz espelhada
Que é mesmo a meu gosto.

Vejo esse teu ardor
Em beijos de alegria
E também de amor
Mesmo que em Poesia.

Sussurras-me ao ouvido
Palavras de muito amor
E eu nelas tomo sentido
São suspiros de muita cor.

São desejos transbordantes
Em beijos de tão ardentes
E assim naqueles instantes
São ânsias em nós presentes.

Respondo-te da mesma maneira
Em beijos que te incendeiam
E que mostram a brincadeira
Em que os lábios se enleiam.

Armindo Loureiro 

Musa DO Mar



Musa DO Mar


Vai,mas não me digas
que já destes o teu coração
a outro que não mim...?
Musa do mar,vida perdida 

porque me deixas assim...?

Destróis o sentido dos meus dias.
Que sem ti, ficam em vão !
Vai, mas não chores e nada digas nunca ...
falso de mim não...!
Que destroças ...
este pobre coração...!

Luz com que iluminavas ...
a negridão do meu olhar...!
Sem ti musa do mar 
minha poesia pode cessar ...!

Tudo, tu viste de mim...!
Conheces,tudo!
Musa de mar sem fim...!
Porque finges...?
E dizes que esqueces... !
As dores que te doem 
as passando para mim ...?

Não chores nunca musa do mar 
assim passas,na minha vida ...!
Com o teu falso chorar 
que por ti já vai perdida ...!

Passa musa do mar ,e vai...
não chores as nossas culpas...!
Das mentiras a tua vida levar 
e eu assim te querer...
para te ter e amar ...!

Vai musa do mar 
porque minha poesia esmoreceu ...!
Em falta das tuas inspirações
agora aqui quem chora sou eu ...!

"AMAR É AGORA"
(M.S)Mario Sampaio

quinta-feira, 17 de julho de 2014

POR SENTIR AMOR



POR SENTIR AMOR


Se fechas os olhos quando o vento te sopra nos olhos
e sugas, da chuva, as gotas que te caiem nos lábios;
e se, de olhos cerrados, vês aquela que amas
e na língua reconheces o gosto de um beijo dela,
tu és um poeta. 
Mas se acaso não tens tu um poema que te cresce,
o que tens na vista e no palato são restos de ontem.
Qualquer poeta desejaria ter tido um ontem igual ao teu
para, sem ter de fingir, descrever tudo do mesmo jeito,
por sentir amor.

Sérgio Lizardo

NECESSIDADES AMOROSAS...





Necessidades amorosas…


Precisei do teu amor
Numa dose de doçura
Era azul a tua cor
Repleta de ternura

Vivias com alegria
Todo esse teu querer
O amor em ti cabia
Era belo o seu prazer

Vacinaste-me dessa forma
Num acto de capacidade
Mas que bela era a norma
Desse amor na tua idade

Era a tua conveniência
Numa luta consentânea
Vivias a minha presença
Na amizade momentânea

Desejava o teu amor
Assim como o vivi
Era tanto o teu calor
Que em mim logo o senti

Compreendo que não é igual
O amor que em mim acontece
O teu quase sempre me faz mal
Mas de ti ele não se esquece.

Armindo Loureiro 


quarta-feira, 16 de julho de 2014

PERFUME DE ROSAS


  

Perfume de Rosas


 Quisera que fossem reais
as entregasse em tuas mãos
as mãos que ternamente
usaste para me acariciar o rosto
as mesmas mãos que aninhas-te nas minhas.

A distância impõe porém 
que sejam virtuais
brancas como gostas
perfumadas como 
o perfume que em mim deixaste
naquele abraço intenso
acolchoado a ternura
que há poucos dias 
entregámos um ao outro.

Em mim deixaste o perfume
a ternura, 
o afecto, 
o amor, 
com que escolheste
ficar na minha vida
colorindo
os meus dias...

A ti entrego o perfume
das rosas orvalhadas
simbolizando
a frescura, 
a beleza, 
o perfume
com que tornas 
o nosso paraíso
ainda mais
intensamente belo.

Hamilton Ramos Afonso


terça-feira, 15 de julho de 2014

FLORES TANTO SÃO...


Imagem - Spartaco Lombardo


FLORES TANTO SÃO... 


Flores tanto são... bens da natureza
Que exalam o frescor de mui beleza;
São terra e também quimera que volve
Pétalas pelos ares em cetim tão leve.

São cristais da atmosfera que brilham
Tanto quanto o sol... são essências raras, tão
Olores exímios difundem pelos ares,
Quanta viscosidade em seus raiares!

São manhãs primavera, noite ao luar...
Quantas canções de amar... estrelas pelo ar!
São flores... são vida em terra e pelo mar.

São o doce vento Agosto que a natureza
Brinda de Maio a sempre pelo beijo tão
Nobre, semente real... Flores tanto são.

® RÓ MAR


O DIA ACORDOU


Imagem - Meruzhan Khachatryan


"O DIA ACORDOU"


Acordou mais um dia de verão,
que esteve deitado a dormir no chão,
na manta de trapos feita a rigor
pela tecedeira chamada Leonor.

Correu pelas ruas da minha aldeia
com as asas abertas para abraçar,
todos as mulheres que ia encontrando,
com cestas de roupa para ir lavar.

Beijou as crianças de olhos felizes,
que brincavam na terra a fazer casinhas,
levou-as ao colo com muito cuidado
para ver os ninhos no velho telhado.

Margarida Fidalgo


segunda-feira, 14 de julho de 2014

VISÕES ETERNAS...


Imagem - Night Walker


Visões eternas…


Desafias-me no teu olhar
Numa pose misteriosa
Tens um corpo de se amar
Beijo a tua pele mimosa

És um doce apetecível
Porque sabes ser mulher
Nesse teu jeito tão sensível
Nesse brilho que alguém quer

Brilhas numa aura de luz
Uma estrela que é solar
Tua alma em mim reluz
E a minha te quer amar

Sinto-te completamente
Como se fosses de sempre
E já não te tiro da mente
Porque contigo estou contente

Quero pois acreditar
Naquilo que meu olhar vê
Nesse olhar de tanto gostar
É o que minha alma em ti lê

És antiga e és moderna
Nesse teu jeito endiabrado
Mas és tão boa pequena
Que meu olhar fica parado.

Armindo Loureiro 


MODELOS E EXEMPLOS


Imagem - Peihang Huang


MODELOS E EXEMPLOS


Não há modelos, há exemplos.
Não há regras estritas,
há a consciência, há como tê-la.
Há o desejo dessa consciência
porque dela vem o amor.
Há a dinâmica do movimento
porque há o querer,
impregnado do mais alto sentido
de uma vida, mundo ideal.
Há o desejo de amor vincado no ser,
que se manifesta no acto de se dar a conhecer.
Há o espírito no íntimo, princípio de tudo
que dá forma ao ser.

Fernando Figueirinhas


AS BARONESAS DE SEZIM



Imagem de Frassino Machado

AS BARONESAS DE SEZIM


Fresca manhã de cristalino brilharete,
Encosta ornamentada em manto de ternura,
Eleva-se em esbelta e clara desenvoltura
A rósea silhueta de um nobre palacete.
Numa amplitude que espanta e reverdece
E na harmonia de um colorido à mistura
Eis um angelical hino em suave partitura
Qual delicada sinfonia em ramalhete.

Recostadas no solarengo varandim
Acolhendo do sol seus raios matinais
Esperavam as Baronesas de Sezim.
(Duas octogenárias meninas. Numa janela
O mordomo plantado atendia os sinais
E os gestos que faziam, qual fiel sentinela.)

- Ó Tininho, diga às senhoras que já cheguei.
- Meninas, Francisquinho trouxe as cantilenas.
E, como tudo se deve fazer como é de lei,
Já temos pr´ acompanhar as nossas novenas!

O Santo Arcanjo assim o providenciou:
Houve carinhos e bom almoço… E o tempo voou!

Frassino Machado

In MUSA VIAJANTE

GAIVOTA


Imagem - net (autor desconhecido)


Gaivota


 Admiro o esbelto bailado do teu voo,
em total liberdade,
a forma grácil com que desces célere
até ao rebentar da onda em espuma
para te alimentares…

Dou comigo a pensar
nas alturas em que a saudade
se faz mais presente
em te invejar a capacidade de voares,
e aporta-me a vontade de te entregar
o meu pensamento,
para que o leves para junto 
daquela a quem entreguei o meu coração,
numa asa a saudade, na outra o afecto…

Talvez assim
o tempo que nos separa
do abraço que tarda em repetir-se, 
se encurte 
e a fusão dos corpos perfumados 
se dê, 
porque as almas,
essas já se pertencem…

Hamilton Afonso


SER LIBERDADE



imagem - retirada net (autor desconhecido)


SER LIBERDADE


Não,
não quero voar, 
ao sabor do vento,
levarei as minhas asas
onde levo o pensamento,
e serei sempre inteira,
mesmo que o mundo
não queira,
aceitar o que sustento,
se me pauto p'la verdade
é p'ra ter a liberdade
de voar como quiser,
pago caro, ser mulher,
liberta de preconceito,
e a Ser tenho direito,
conquistei esse poder,
ninguém me põe a mordaça,
ninguém cala a minha voz,
sou Liberdade que passa,
diante de todos vós...

rosamar


sábado, 12 de julho de 2014

VISÕES DE SOL...


Imagem - Victor Zelik 


Visões de Sol…


Uma pedra alcandorada
No mais alto do teu ser
E tu ali bem descansada
Num degrau… Ai que prazer
Metes nos olhos uma pala
Para o Sol não te ferir
E teu coração não se cala
Nessa beleza vai o sentir
Num dia esplendoroso
O Sol em ti se entranha
Abaixo um rio famoso
De ti ele não se acanha
O que uma pedra nos diz
Num dia a esse igual
É que o amor anda feliz
E nem o Sol nos fará mal
Não faz nem poderia
Porque ele gosta de vós
Nesse olhar tanta alegria
Já que o tempo não é algoz
É para mim um bom momento
Ver-te ali assim sentada
Também já tive o meu tempo
De o olhar na minha amada.

Armindo Loureiro