terça-feira, 15 de agosto de 2017

CAMINHAR




CAMINHAR


Caminho por este Mundo
Sem hora nem destino
Não sei de onde sou oriundo
Nem qual foi o meu ensino

Caminho por esta estrada
Sem uma rota marcada
Logo no início da madrugada 
Com o nascer da alvorada 

Caminho apenas por caminhar
Sem ter um destino marcado
Tentando minha mente inspirar
Neste dia triste e enevoado

Caminho sempre ao nascer do dia
Pelas margens do meu rio de eleição 
Declamando em voz alta a minha poesia 
Que foi escrita com a tinta do meu coração 

Paulo Gomes

DOU-TE A MÃO




DOU-TE A MÃO


À tua mão estendo
o meu corpo de verbo
dou-te a mão 
e conto-te meu segredo
de azul paixão
vermelha intenção
tocar a ponta dos teus dedos
e coroar a nossa união
perdida no silêncio
das palavras de sempre e então
uma letra miúda e pequena
que se estende no universo
no eco do horizonte 
um pulsar de coração
és tu meu irmão
uma folha caída na calçada
uma outra ainda despida
da tua sólida letra
que faz-se mantra
ilumina e conforta
todo o alfabeto 
que a linha divide e comporta
uma outra linha
que ninguém se importa
estendida no verbo do teu corpo
dás-me mais do que a mão
algo que não se define
por não ter definição
é incondicional e com razão
a promessa que cumpro missão

© Ana Carvalhosa

AMIGO... SEMPRE MUITO MAIS QUE O SOL A NASCER!


Imagem - Bellissime Immagini 


AMIGO... SEMPRE MUITO MAIS QUE O SOL A NASCER!


Ah, que maravilha ter um amigo e muitos,
Sentir luz de vida em todos os minutos;
Sentir ar primaveril em todos os segundos
E passar os dias a olhar os mundos!

Ah, que alegria, ver crescer amizades,
Sentir que as horas passam sem desgastar;
Sentir que os dias ficam para recordar
Os mais belos momentos, os das verdades!

Ah, minha alma resplandece em torno do luar
Qual é, nada mais nada menos que, um amigo
Que me quer mui bem e eu também o quero amar!

Ah, meu coração farto pelo genuíno ser
Qual é, nada mais nada menos que, um abraço
Amigo... sempre muito mais que o sol a nascer!

RÓ MAR

DO ANOITECER AO AMANHECER




DO ANOITECER AO AMANHECER


Batem as horas no relógio de parede,
Ao ritmo do bater do meu coração,
Imagino-me a balançar numa rede,
Como se estivesse no meu colchão.

Tocam 12 badaladas da meia noite,
E eu sem sono a escrever poesia,
Escrevo tudo que a vida me inspira,
Busco temas actuais de interesse.

Uma badalada diz que é uma hora,
Já vou no segundo poema, o sono
Anda arredio, não vem, não cobra
O tempo que tenho para escrever.

Duas badaladas tocam e a poesia
Fluí como rio de águas cristalinas,
Que corre ligeiro por entre fragas,
Emitindo sonoridades de harpas.

As três badaladas não se atrasam,
Acham que se devem intrometer,
Pra me avisar que o tempo passa
E a poesia escrita se tornar chata.

O sono anda arredio e as quatro
Badaladas insistem pra eu parar,
Suspender a poesia e me deitar,
Antes do amanhecer sem dormir.

Tocam enfim as cinco badaladas,
As horas já se acham cansadas,
E eu também estou com vontade
De dormir, não irei mais insistir.

Já o sol penetra no meu quarto,
Com o tocar das seis badaladas,
Quando eu me apercebo do dia
Que recomeça para nova etapa.

Ruy Serrano 

VIVER A SONHAR




VIVER A SONHAR


Visitei uma galeria
olhei uma tela antiga
e adorei a alegria,
que imagem transmitia
num olhar de rapariga,

A cor da tela brilhava
no olhar daquela princesa
havia tanta beleza,
que eu fiquei deslumbrada
e quis ter a certeza
se era eu que então sonhava,

Qual não foi minha surpresa
quando então eu acordava,
senti-me uma princesa,
no meio da natureza,
sonhando, com uma tela pintada,

Com meu olhar já disperso
no meio da natureza,
contemplava o universo
eu vi, tanta beleza,
que mesmo a sonhar não esqueço.

Joana R. Rodrigues

AS CORES DO CÉU


Imagem - Bellissime Imagini


AS CORES DO CÉU


Sei que hás-de vir
em luz
quando a hora chegar
e pintarás no céu
um Arco-Íris…
são agora tuas
as cores, as aves
e todas as estrelas
e por isso me darás
asas
para te acompanhar.
Chegada a hora 
hás-de prender a minha mão
na tua
e quando me aconchegares
no teu colo
será nosso o Azul…
assim, juntas pintaremos
no céu, todas as cores!

Maria Mamede

OUÇO-TE COM RIGOR...


Imagem -  Bellissime Imagini


Ouço-te com rigor…


Nas tuas parcas palavras
Dizes-me o que gosto de ouvir
É nessas palavras que me são dadas
Que eu sinto o teu porvir

Continua a dizer o que gostas
Diz sempre o que queres dizer
Outros julgarão as tuas apostas
Se nelas colherem o seu prazer

Prazer esse que eu colho
Nas palavras que tu me dás
Há palavras que não escolho
Mas que sinto que me satisfaz

Ó almas dai-me a paz
Para eu sempre escolher
Tudo o que aqui me satisfaz
E que me dá o seu prazer

São palavras e outras coisas
Que eu ouço com rigor
E escrevo em certas lousas
Porque sinto em mim o amor

Ouço-te com alegria
Quero continuar a te ouvir
Em ti existe magia
É esse o meu sentir

Despeço-me desta maneira
De tudo o que é sentir
Não julgues que é brincadeira
É o amor a em mim surgir

Armindo Loureiro

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

BASTAS-ME ASSIM


Arte: Damian Kłaczkiewicz 


Bastas-me assim
 

Tivesse eu o dom de te recriar,
não mudaria nada 
porque o que me atrai è a tua alma 
e essa não se muda, não se recria, 
nasce com cada qual 
e com cada qual se elevará do corpo 
quando este terminar a caminhada
que cada um de nós enceta nesta vida…

O corpo esse enlaça-se,
num forte abraço,
inebria-nos com o odor e o sabor 
que a boca degusta,
com a música que ele entoa,
com o «dedilhar das tuas cordas»…
… e essa perfeição nada tem a ver 
com a aparência física,

mas com a regência da alma,
que é a maestrina que empunha a batuta
e comanda a orquestra
que toca a sonata do amor…
… coordenando mãos, braços, boca e…

Se eu tivesse o dom de te recriar, 
declinaria a tarefa,
porque como tu és, 
bastas-me assim…

Hamilton Ramos Afonso

" O RAIAR DO AMOR !!!..."




" O RAIAR DO AMOR !!!..."


Tal como o Sol surgiu no firmamento;
Inundando a terra de vida e de calor...
Quão abençoado foi esse momento,
Pois nasceu nesse dia o nosso Amor!...

No azul do Céu pombas voavam;
Brancas como neve ou algodão...
No mar barquinhos navegavam,
E as ondas entoavam ´ma canção!...

No ar pairava um halo de magia;
Tão belo como poalha dourada...
Nos nossos corações a alegria;
Nascida como o raiar da alvorada!...

Toda a beleza que esse dia contém,
Só nós dois sabemos.... mais ninguém!...
E jamais será sentida novamente,
Quando na verdade se ama alguém!...
Toda a magia envolvente fica porém,
Gravada na nossa alma eternamente!...

António J. A. Cláudio

terça-feira, 4 de julho de 2017

UNO PAPIRO! E O AMOR? AI O AMOR, LÁ PELO ALTO CÉU!


Imagem - Bellissime Immagini 


UNO PAPIRO! E O AMOR? AI O AMOR, LÁ PELO ALTO CÉU!


Oh, 'lua' amiga, leva-me, daqui embora,
Para bem longe, lá pelo alto céu, onde és, 
Luz, estrela de todas as noites, linda senhora!
Quão alvo teu manto, brilha o azul que és!

Quão alvo teu manto, brilha o azul que és
Em meu olhar! E o amor? Ai o amor, lá pelo alto céu,
Onde as estrelas são sorrisos 'crianças' a cintilar!
Quão sereno o universo que assim se faz!

Quão sereno o universo que assim se faz,
Baloiçar pelo tempo e sentir que há paz!
Utopia que desejo rabiscar ao luar do teu olhar,
Uno papiro! E o amor? Ai o amor, lá pelo alto céu!

© Ró Mar

quarta-feira, 31 de maio de 2017

SER AMIGO...


Imagem - Bellissime Immagini 

Ser amigo…


Ser amigo
É saber ouvir
E discernir
O sentido
Do que é dito

Se a beleza
Não é um fito
É porque o fundo não é bonito

Conhecer a natureza
De quem é amigo
Com essa certeza
É ouvir o que ele diz
E com isso ficar feliz

É na sã convivência
Da nossa existência
Que a amizade se vê

É assim que ela passa por mim
Quando ao lado de outra gente
Que sendo de mim afim
Me deixam bem contente

Quero ser sempre amigo
Dentro duma certa realidade
Que ouçam o que eu digo
Com toda a amabilidade

Isso de ser amigo
É prezar as relações
Botar sempre o sentido
Em todas as questões

Sou amigo podem crer
Dos amigos que o são
Para mim é um prazer
Dizer isto com paixão!

Armindo Loureiro 

domingo, 30 de abril de 2017

UNIVERSO DE POESIA




UNIVERSO DE POESIA


Não sei por quanto tempo
serás para mim companhia,
ou se te posso chamar de poesia
com este meu caminhar tão lento
e minha alma quase vazia!

As palavras que deitei ao vento
são aquelas que eu não ouvia,
e com o passar do tempo,
escrevo essas, e outras, que eu não queria,

Amante da poesia, é assim que me revejo
escrevo tanto do que não queria,
mas escrever, é meu desejo,
quisera que fosse palavras de alegria
e em todas elas seguisse meu beijo,

Viajo em fantasias e me disperso em prosa, em rimas,
ou simplesmente, um pequeno verso
mas todas elas são primas,
grande é a família, poética deste Universo!

Joana R. Rodrigues

"MARIA LIBERDADE !!!..."




"MARIA LIBERDADE !!!..."


A Maria Liberdade;
Fugira... talvez p´ro Brasil...
Não suportou a saudade,...
Voltou á Pátria em Abril!...

Chegou cá muito contente;
Foi recebida com flores!...
Saudada por muita gente,
De várias raças e cores!...

Porque era muito bela;
Namorados tinha a esmo...
Muitos abusaram dela.
E outros querem o mesmo!...

A desgraçada donzela;
Sofre tanta... tanta heresia,
Se não tratarem bem dela,
Desaparece algum dia!...

Depois não vale chorar,
Se o regresso for tarde!...
Só quem ama ou sabe amar.
Merece a Maria Liberdade!...

António Joaquim Alves Cláudio


sábado, 1 de abril de 2017

O AMOR QUE NÃO COBRA...




O AMOR QUE NÃO COBRA...


Dia luminoso, quente, com o céu vestido de gala
azul resplandecente a testemunhar a alegria 
que tomou conta da minha alma, emoção a toldar-me a vista 
misturando-se com a canícula que do céu emana, com o Astro Rei
a dardejar em chama.

Alegria incontida nas entranhas, por te saber sem dúvidas
sobre o que fazeres com o que por ti sinto

Ouvir-te contar da tua determinação, de saberes que és capaz de
o aceitares sem constrangimentos, libertando-te das amarras que 
te dividiam, que te faziam não estar livre para aceitares que ele 
se pode transformar no « amor que não cobra», na melhor das amizades.

Com o coração a bater descompassado digo-te que sempre foste livre de partir, 
da mesma forma livre, com que aportaste à minha vida.

Esta é uma decisão esperada alicerçada na força da razão, 
a razão da nossa inabalável confiança, da nossa cumplicidade,
observando aquilo que nos trouxe a vontade de viver.

O respeito que devo a mim próprio e a confiança que em ti deposito
salvaguarda a nossa Amizade de qualquer intromissão, ou de qualquer abalo…
mesmo que telúrico… 

QUANDO NASCE A POESIA




QUANDO NASCE A POESIA 


Quando é que nasce a Poesia?
Pergunta alguém e com razão,
Ela nasce co´ a fantasia
Semeada no coração.

Se há dúvida, ou não sabemos
Por não sentirmos empatia,
Na hora certa perguntemos:
Quando é que nasce a Poesia?

Se este mundo está como está
E não se encontra solução
Que nos espera no amanhã,
Pergunta alguém e com razão…

Há soluções com certeza
Encontradas no dia-a-dia
Fazer poesia é nobreza
Ela nasce co´ a fantasia.

Poesia é um dom imanente
Revestido de emoção
E o poeta sente-a latente
Semeada no coração.

A Poesia não cai do céu
Nem sequer é pé de dança
Ela brota como troféu
No coração duma criança.

É como a fruta de colheita
Que urge em ser recolhida
De criança ela se enfeita
Conforme as faces da Vida. 

Um livro de qualidade,
Um poema de vibração,
Nasce Poesia de verdade
Num poeta de eleição.

Se a mãe é o berço da Vida
E o coração da Poesia
Cresce esta por medida
Com peso, conta e magia!

Frassino Machado
In OS FILHOS DA ESPERANÇA


MINHAS MÃOS




MINHAS MÃOS


Meu mundo fechado na escrita
onde meus olhos te percorrem
sinto que fui escolhida,
por corações que não morrem
nem se afastam da vida!

Minhas mãos teclam sem cessar
elas definem minha alma de mulher
não desistem, não se querem aquietar
não param, nem um dia sequer!
apenas se sentem bem, quando estão a teclar

São mãos de quem sempre trabalhou
mãos que não se aquietam,
mãos que tanto afagaram
minhas mãos nunca protestam
mãos que tantas lágrimas limparam

Minhas mãos, que hoje reclamam
a destreza que nelas existiam
são os sinais, de uma vida, já vivida
que os anos levam, mas jamais trariam
aquela mocidade apetecida.

Joana R. Rodrigues

quinta-feira, 16 de março de 2017

SOLIDÃO


Imagem - Bellissime Immagini


SOLIDÃO


…e invento a rosa
a perfumar o quarto
e a madrugada
com lençóis pelo chão
e a luz coada
a dizer que parto
e tu em meu ouvido
a dizer que não…

…e invento vida
pra nós dois, tolice
e invento beijos 
na palma da mão
e invento palavras
que disseste e eu disse
e que bate em nós
um só coração.

…e invento horas
no calor do abraço
e a nostalgia 
no tempo vidraça
e invento falares
risos, alegria
nos tristes olhares 
da gente que passa!...

Maria Mamede

… A VIDA EM NÓS


Imagem - J'ad' OR 



… A VIDA EM NÓS


Viver é assim sinónimo de nosso amor,
Crescer e desabrochar lado-a-lado
Como raiz que difunde em gémea flor,
Fino canto de pétalas perfumado.

Fino canto de pétalas perfumado
Ao extremo de um universo desejado,
Onde as estrelas sempre brilham em nós,
Como se nossa vida fosse una voz.

Como se nossa vida fosse una voz
Ao encontro de uma só felicidade interior,
Onde a natura é sempre o nosso amor,
Uno poema declamado a pó de arroz.

Uno poema declamado a pó de arroz,
Essência de dois corações em flor
Onde germina à flor da pele aquele frescor,
Que perpetua no tempo a vida em nós.

© RÓ MAR


quinta-feira, 9 de março de 2017

NUVENS SÃO COMO SOMBRAS


Arte de Ricardo Fernandez Ortega


Nuvens são como sombras


Nuvens são, como sombras nos meus olhos 
Quando não encontro, o teu olhar no meu
Quando te ausentas, olhando o mar ao longe
Em que pensarás, quando o seu limite é o céu

Uma inquietação, que não posso adivinhar
Que guardas para ti, e não queres partilhar
És livre, e nada demais te posso e devo exigir
Não posso no entanto, deixar de considerar

Se eu te amo, e tu dizes amar-me também
Se prometemos entre nós, segredos não manter
Quando assim te isolas, estilhaças a cumplicidade
Que entre nós devia ser, um elo permanente

Ficará essa sombra, qual nuvem escura a pairar
As nuvens, por mais suaves que sejam e pareçam
Escondem atrás de si por vezes, chuva e trovoada
Ofuscando a luz do sol, que era brilhante e quente

Catarina Pinto Bastos


DEUS COMO TE AMO...


 Imagem - Gold ART


Deus como te amo…


São teus olhos tristes
Que me acordam para a realidade
Mas contudo tu insistes
Em não ver essa verdade

Repara na tua existência
Vê lá bem onde vais parar
Nem sempre é a apetência
Do amor que nos faz amar

Estilhaça teus pensamentos
Faz de conta que nada há
Goza todos os momentos
Do que a vida por aqui te dá

Há pois que libertar
O silêncio das manhãs
Para depois tudo se amar
E não ser o tanto faz

Gostaria de te pintar
Com as cores mais belas
E depois às paixões iriam dar
As flores como aguarelas

Procuro fazer tudo com arte
Mas nem sempre isso é possível
Até minha alma aqui se parte
Duma forma bem plausível

Vou assim ao teu encontro
Num caminho que não se vê
E é assim que de pronto
Escrevo o que por aqui se lê

Clamo na pradaria
Clamo sob o teu sol
Dá-me toda a tua alegria
Que eu ando a ficar mole

Levanta-me esta moral
Diz lá que gostas de mim
Meu amor tu és real
És a flor de que estou afim

Armindo Loureiro


DIA MUNDIAL DA MULHER




DIA MUNDIAL DA MULHER 


Escrevam prosas e poesias
Escrevam ao Sol ou à Lua
Escrevam contos de fantasias
Escrevam em casa ou na rua

Escrevam com letras ou desenhos
Escrevam com imagens coloridas 
Escrevam com ideias ou engenhos
Escrevam as frases à muito perdidas

Escrevam tudo e absolutamente nada
Palavras dedicadas a todas as Mulheres do Mundo 
Para que fique escrito nesta madrugada 
Em verso às MULHERES um sentimento de carinho profundo 

Paulo Gomes 


MULHER




MULHER


És Rainha do Mundo, és diferente em tudo,
Tu existes para dominares o homem,
Que sem ti não seria nada.
Irradias beleza e tens virtudes,
Teus olhos, teu cabelo, teu rosto, teu corpo,
São o que de mais perfeito Deus criou,
E que o Homem mais desejou.

És companheira inseparável e dedicada,
Mãe afeiçoada e confidente,
És a timoneira do lar, no meio da tempestade,
Segues o rumo mais indicado,
Levas o barco a bom porto,
Salvas a tripulação de naufrágio.

O Mundo sem ti, não faria sentido,
O Homem ainda mais se odiaria,
Tornar-se-ia animal selvagem,
Andaria errante pelo Mundo,
À tua busca, ansiando por te encontrar,
Logrado, acabaria por desesperar.

Ruy Serrano 


CAMINHO




Caminho


É no silêncio e na distante quietude 
que nasce o rio 
que coeso na imensidão de gotas de água 
conquista o seu leito por onde corre vigoroso,
outras vezes sereno,
contornando obstáculos,
desviando-os do caminho,
passando-lhe por cima 
se os não conseguir remover 
do seu caminho que leva inexoravelmente 
ao imenso mar,
seja por vontade própria,
ou misturando-se com outras vontades, com outras águas de outros rios 
onde generoso desagua...

É esse rio,
esse silêncio,
essa quietude onde caldeio 
as tempestades de que sou feito 
até conseguir alcançar a serenidade
do meu amar-te

 Hamilton Ramos Afonso


ROSAS SEM ESPINHOS




ROSAS SEM ESPINHOS 


«No dia internacional da Mulher»


Poder-se-ão imaginar rosas sem espinhos
Quando na vida há mais espinhos do que rosas?
Poder-se-ão considerar paixões gostosas
Quando na vida ainda há mulheres sem carinhos?

Não. Tu, mulher, quaisquer que sejam teus caminhos
Haverás de encontrar, e bem dolorosas,
As vis encruzilhadas tornadas lacrimosas
Mesmo por entre aromas de belos rosmaninhos…

Com rosas sem espinhos serias tão feliz,
Ainda que se pense que delas fazem parte
Mas terias, por fim, uma vida com mais arte.

Mas tu, mulher, que entre os seres és o chamariz
Traça em teu horizonte com riscos de valor
O teu grito de sonho, liberdade e amor.

Aí sim, sem espinhos, serás a rosa bela
E neste mar da Vida a mais ágil caravela!

Frassino Machado
In JANELAS DA ALMA


terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

ESCUTA




Escuta


Escuta… 
que bom sentir-te 
em paz 
a paz e a tranquilidade
que te advém
da serenidade do campo 
onde o tempo se escoa 
mais lentamente
com os silêncios próprios 
apenas interrompidos
pelos trinados 
da passarada 
e do voo das abelhas
na sua labuta diária
para recolherem o néctar 
das flores e levarem destas
o pólen que vai fecundar 
árvores e arbustos
gerando nova vida, 
em frutos 

Escuta...
a minha vontade
de fazer parte dessa paz
impregnar-me de silêncio 
e no silêncio
olhar-te nos olhos 
e sem dizer palavra 
ser capaz de te dizer tudo
de aspirar os cheiros 
da alfazema, 
do alecrim 
e das rosas 
e inebriado com eles
envolver-te
num longo abraço
que te aconchegue, 
sem te sufocar… 

Escuta
e diz-me
que o meu apelo
encontrou eco no teu coração,
e convida-me para fazer parte
da tua paz…

HOJE, EU PEÇO-TE




Hoje, eu peço-te


Sabes, que não sou de pedir
talvez, por ter aprendido 
desde muito cedo a ser sozinha,
a ter que ser auto-suficiente 

a lutar só e comigo mesma, a
combater-me, a lutar, a perder.
sofrer, batalhar e também vencer

Mas por vezes, há ocasiões na vida,
em que nos sentimos mais sós,
perdidos e desacertados da vida,
dias em que a mágoa se apega a nós
como a hera, se agarra a uma pedra

Hoje. Preciso de um abraço com verdade.
Amplo laço de afeto, amor e amizade
que me aqueça o coração gelado, 
que me reavive a alma vazia e dilacerada, 
que aqueça um pouco, a minha vida cansada

Hoje preciso mesmo, daquele abraço.
Tantas vezes prometido e outras tantas
adiado… por isso peço-te. Abraça-me!

Catarina Pinto Bastos

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

AH, QUATRO LETRAS ENCRUZILHADAS!


Imagem - Bellissime Immagini 


AH, QUATRO LETRAS ENCRUZILHADAS!


As letras minhas,
Um sorriso teu
E o que foi que deu?
Ah, luz ao que ainda sonhas!

A expressão de olhos meus,
Que sempre mais quer dizer
Quando olhos teus a ler,
O beijo azul-céus.

As letras minhas
Um sorriso teu
E o que foi que deu?
Ah, voz às entrelinhas!

A breve paisagem coabita
As linhas de outras vidas
Perpetuando una silaba agora escrita
E nós assim de mãos dadas.

As letras minhas
Um sorriso teu
E o que foi que deu?
Ah, arte ao pensamento!

Eis o rosto suspenso da paixão
Pelo fulgor que remete o coração
Direccionando o abraço desmensurado
E nós quedamos no passado.

As letras minhas
Um sorriso teu
E o que foi que deu?
Ah, esquecer de esquecer!

Reflecte-se o eterno ditongo
Conectando o ex-presente amado
Aos sons que emitem o que assim digo
E nós vemo-nos lado-a-lado.

As letras minhas
Um sorriso teu
E o que foi que deu?
Ah, quatro letras encruzilhadas!

© RÓ MAR


POESIA, NÃO ERA FITA




POESIA, NÃO ERA FITA


Olhei aquele poema, e senti algo de mim
Até a saudade existente no tema,
Pensei nas palavras e na verdade escrita
Não era fita!
Apenas li e reli, e pensei que a vida é assim,

Confiei na minha intuição, e segui até saber
Afinal, aquilo que parecia minha vida escrita
Não era fita!
Era mesmo alguém que tal como eu estava a sofrer,
E eu senti cada palavra dita, naquela saudade desdita

Aquele poema que me deixou a pensar como é triste
Não era fita!
Quando me revi no tema, vi que a tristeza e solidão existe,
Vim para o meu canto, e retomei a minha escrita,
E agradecer a Deus por enquanto ter a lucidez bendita!

Joana R. Rodrigues

NA CURVA DA ESTRADA




NA CURVA DA ESTRADA


Não sei
se é por ti ou por mim
que a luz espera...
que a ribeira corre
que a fonte murmura…
sei que contigo
apenas contigo
são também fontes meus olhos
e os teus
bocas sedentas
de beijos 
e de lágrimas…
não sei
se é por mim ou por ti
que chegam e partem as andorinhas
que à noite cantam os rouxinóis
e de manhã os melros
sei apenas
que nós, juntos
somos vento
nas velas dos moinhos
papoilas nos trigais do tempo
e junquilhos nas margens
dum rio a que chamam idade;
não sei
de verdade não sei
se é por ti ou por mim
que a aurora regressa
a cada dia
e espalha a treva
na curva da estrada;
mas sei depois dela 
outra vida, mansa
e a gente criança
a seguir de mão dada!

Maria Mamede
In"Antes que o Inverno bata à porta"

https://www.facebook.com/maria.mamede

domingo, 19 de fevereiro de 2017

PORQUE TEREI QUE ESCREVER

Imagem- Bellissime Immagini 

Porque terei que escrever


Hoje, apeteceu-me escrever
Mas não sei se terei leitores
Para o que escrevo eles me ler
E por fim dizerem: que ardores
Doem-me os olhos de isto ler
Tal é a sua sensaboria
Não tenho pachorra, podem crer
Para vos ler com alegria
É tudo que me dizeis
Sobre aquilo que eu escrevi
Mas contudo, como sabeis
Na minha escrita não vos menti
Já sabia que ia acontecer
Que ninguém gostasse de mim
Ou pelo menos ter prazer
No que eu digo desta forma assim
Mas eu nada me importo
Porque gosto do que fiz
Estava aqui tão absorto
Arejei… Fiquei feliz
Rebusquei palavras em mim
Daquelas que guardo religiosamente
Para vos dar algo assim
Que desperte a vossa mente
Sei que não sou mentiroso
Nem aldrabão tão pouco
Do que escrevo saio airoso
Num momento de tão louco
É esta minha loucura
Que me dá esta disposição
Para escrever com desenvoltura
O que eu sinto no meu coração
Podem crer que é assim
Que faço tudo por vós
Todos são flores do meu jardim
E de vos ver fico sem voz

Armindo Loureiro 


LEVO COMIGO...




LEVO COMIGO...


Vejo ao fundo as sombras difusas no meu oceano
Piso as areias movediças do sonho
Tropeço no fantasma do medo
Corro com pressa, fujo da vida...

Levo comigo...
Uma alma nua, vestida com as cores do desengano
Um coração pintado, nas tardes de ócio
em que o sonho tapava o segredo...

As manhãs sempre serão longas,
para quem se sente esquecida
As tardes demasiado curtas
quando não se vê onde fica a saída
Sinto-me um corpo abandonado
com o pensamento profanado

Não tenho para onde ir
Não sei voltar para onde estou
Tentei ficar para não ter que partir
Não quero regressar ao que já não sou

Visto-me com os retalhos do passado
Já encomendei um vestido com as cores do futuro
Tenho em mim uma alma de cristal quebrado
Procuro o caminho de um destino que não seja duro

Angela Caboz 

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

QUE SEJA ETERNO




QUE SEJA ETERNO


Que seja eterno este momento 
Quando nós dois estamos sós
Em corpo, alma e pensamento 
Fazendo um Mundo só para nós... 

Que seja eterno este momento
Quando não somos dois, mas apenas um 
Momentos incríveis de doce envolvimento 
Como jamais alguém viveu nenhum... 

Que seja eterno este momento
Em que nada mais no mundo tem valor 
Em que o nosso encantamento
Seja para sempre um lindo caso de Amor... 

Paulo Gomes


É UM BEIJO E UM ABRAÇO




É UM BEIJO E UM ABRAÇO


em azuis me pintas
fêmea de cor
só para expor
o sabor do meu silêncio

no odor do teu sentir
o olhar profundo
de em mim te possuir

carta branca e sem parágrafos
nas letras que fazem presença
de uma vírgula e uma palavra
um travessão para o monólogo

de contigo conversar
na cor negra de um risco
que teimo em te traçar

é um beijo e um abraço
que aqui venho deixar

Ana Carvalhosa