EFEMÉRIDE - LUÍS VAZ DE CAMÕES


Imagem- O retrato de Camões por Fernão Gomes, em cópia de Luís de Resende.
Este é considerado o mais autêntico retrato do poeta, cujo original, que se perdeu, foi pintado ainda em sua vida.



EFEMÉRIDE LITERÁRIA 

LUÍS VAZ DE CAMÕES 

O DIA DE PORTUGAL, DE CAMÕES 

E DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS 


Dia 10 de Junho, o dia em que se assinala a morte de Luís Vaz de Camões, 1580, sendo o Poeta maior, considerado génio da Pátria decorre por todo o Pais as comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. As comemorações envolvem diversas cerimónias militares, exposições, concertos, cortejos e desfiles, além de uma cerimónia de condecorações feita pelo Presidente da República.

Releva-se neste grandioso dia em Portugal e na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, (países independentes que têm o português como língua oficial: Angola, Brasil, Cabo Verde, Timor-Leste, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe), a importância da língua portuguesa e a sua origem camoniana. O português é conhecido como "a língua de Camões" (em homenagem a uma das mais conhecidas figuras literárias de Portugal, Luís Vaz de Camões, (Lisboa [?] 1524 — Lisboa, 10 de Junho de 1580). Foi um poeta de Portugal, considerado uma das maiores figuras da literatura em língua portuguesa e um dos grandes poetas do ocidente. Autor de Os Lusíadas, (a epopeia portuguesa por excelência) e "a última flor do Lácio".


Lusitânia. É um dos mais importantes épicos da época moderna devido à sua grandeza e universalidade. A epopeia narra a história de Vasco da Gama e dos heróis portugueses que navegaram em torno do Cabo da Boa Esperança e abriram uma nova rota para a Índia.


Página da edição de 1616 das Rimas, com o início do poema Cabellos d'ouro...


O amor e a mulher


Dos temas mais presentes na lírica camoniana o do amor é central e ocorre de modo conspícuo também n' Os Lusíadas. Na sua concepção incorporou elementos da doutrina clássica, do amor cortês e da religião cristã, concorrendo todos para incentivar o amor espiritual e não o carnal. Para os clássicos, especialmente na escola platónica, o amor espiritual é o mais elevado, o único digno dos sábios, e esta espécie de afecto incorpóreo acabou por ser conhecida como amor platónico.
...
Da poesia trovadoresca herdou a tradição do amor cortês, que é ele mesmo uma derivação platónica que coloca a dama num patamar ideal, jamais atingível, e exige do cavaleiro uma ética imaculada e uma total subserviência em relação à amada. Nesse contexto, o amor camoniano, como expresso nas suas obras, é, por regra, um amor idealizado que não chega a vias de facto e se expressa no plano da abstracção e da arte. Contudo, é um amor preso no dualismo, é um amor que, se por um lado ilumina a mente, gera a poesia e enobrece o espírito, se o aproxima do divino, do belo, do eterno, do puro e do maravilhoso, é também um amor que tortura e escraviza pela impossibilidade de ignorar o desejo de posse da amada e as urgências da carne. Queixou-se o poeta inúmeras vezes, amargamente, da tirania desses amores impossíveis, chorou as distâncias, as despedidas, a saudade, a falta de reciprocidade, e a impalpabilidade dos nobres frutos que produz. Tome-se como exemplo um soneto muito conhecido:

O Amor é fogo que arde sem se ver


Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo amor.

Luís de Camões

Texto transcrito de  Wikipédia


3 sonetos de Camões - por João Villaret




HOMENAGEM DE RÓ MAR AO POETA 

LUÍS VAZ DE CAMÕES 


CAMÕES 


Ó Poeta… quantas lágrimas de sal
Derramadas por mares nunca antes navegados,
Consolidaram-se venturas e desventuras
Na tua alma de génio, à descoberta de novos mundos.

Dom de coração apertado e largo ao Universo,
Que se fez ao mar em rima e verso,
Glória na epopeia segredada às levianas
E tempestuosas ondas se fizeram luz à literatura.

Se fez glória e jus à tua Pátria,
Pelos caminhos espinhosos se soltou a palavra
No teu som Platónico, vibrou a mais bela melodia
E, aconteceu o imortal soneto, a arte da poesia.

Tua língua mátria louvaste
Pelo tanto que a amaste,
E, hoje e sempre serás o Poeta de Portugal.

 © RÓ MAR