domingo, 20 de maio de 2018

CAÍSTE NOS MEUS OLHOS


Arte de Michel Jouenne


CAÍSTE NOS MEUS OLHOS


Em cada manhã os teus olhos pelas abertas janelas 
Vão poisar nas flores do nosso campo, gostas delas.
E de noite teus olhos voam para dar umas olhadelas 
Aos retalhos azuis do céu e encontrares as estrelas!

Para podermos admirar melhor este nosso Paraíso,
A neve branca sozinha lá no alto da montanha caía
Numa sonolência branca, fria! De manhã vem o Sol
De novo, carinhoso cintilante! As mãos te dei, urgia! 

Com palavras cor do Sol acordei-te, com um sorriso.
Subiu-te uma canção à garganta igual aos rouxinóis.
E em silêncio, apreciei ver teus olhos sob os lençóis.

Passa na janela uma borboleta, abres os olhos teus;
Com os nossos olhos abertos, acenamos um adeus,
Não resistimos à tentação e caíste nos olhos meus!

Alfredo Costa Pereira

 

sábado, 19 de maio de 2018

MAIO, NÃO VÁS EMBORA…!



Imagem - Bellissime Immagini


MAIO, NÃO VÁS EMBORA…!


Maio, de cinco sentidos, que entre as flores 
Brota o primor de lindos amores,
Não vás embora sem antes deixar
Pelo caminho o teu doce perfumar!

Pelo caminho o teu doce perfumar
E em meu coração a flor, da primavera, 
De cinco estações, para bem recordar
Que és o mais belo mês e não a quimera!

Que és o mais belo mês e não a quimera,
De cinco sentidos, rodopiando ao acaso,
De um vento, de um solstício temperado,
De sonhos vai-e-vem, ah quem me dera!

De sonhos vai- e-vem, ah quem me dera
Ser balão de ar, de cinco estrelas, saltitar
Pelas orbitas de um só olhar a primavera,
Ainda em Maio, baloiçando o verbo amar!

Ainda em Maio, baloiçando o verbo amar,
Beijando num sempre o azul de um olhar!
Não vás embora sem antes ensaiar
A valsa, de cinco véus, mão em mão a par e par!

© Ró Mar

sábado, 12 de maio de 2018

VENTOS DO NORTE





VENTOS DO NORTE


Que ventos te levaram
Que tão arredio ficaste
Foram os ventos do rio
Aqueles onde nadaste!

Que ventos te levaram
Foram os ventos do norte
Aqueles que atrapalham!
Não te querendo com sorte

Que ventos te levaram
Quase te sentes derrotado
Se antes te magoaram
Reage aos ventos, que te quebraram

Que ventos te levaram
Que levam a tua verdade
Por aqui passaram,
Deixando a tua saudade

... A NATUREZA QUE ESPELHA JASMIM


Foto © Ró Mar


... A NATUREZA QUE ESPELHA JASMIM


Perco-me pela estrada do teu olhar
E sabes qual é a vera razão de ser!?
Seres tu a multidão daquele universo a inventar
E meus passos pequenos de se ver

Encontrar qualquer breve rabiscar de teu sorriso
É coisa das gentes grandes que nem tu!
Ser eu pálido esboço de um narciso
E tu horizonte, verde papiro, de um tal azul menu.

Perco-me por aqui, naquele agora que nem fim,
Onde tu és parte incerta de qualquer ângulo,
Ainda que florido e até perfumado é traço nulo.

Encontrar qualquer breve planear do teu olhar
É coisa de outras gentes que vêem, mais além-mar,
Pelo âmago a natureza que espelha jasmim.

© RÓ MAR

sábado, 28 de abril de 2018

PENSAR A VIDA...


Imagem - Bellissime Immagini


Pensar a vida…


Penso e repenso na vida
Nesta vida que tenho aqui
Vivê-la de forma sentida...
Foi por mim o que mais senti

Há que dar um pouco do sorrir
Há que dar o nosso abraço
Nas estórias há que sentir
Que o tempo é muito escasso

Por isso viva sem ofender
Tente mais a compreensão
Para em si colher prazer
E também muita satisfação

Para que o amor sobreviva
Em si de qualquer maneira
Que a porção seja activa
Nessa vida de brincadeira

Brinque a bom brincar
Faça tudo pelo amor
Se não souber amar
Viva a vida com humor

Armindo Loureiro 

sexta-feira, 27 de abril de 2018

BEIJO, BEIJAS COMO AS FLORES DE JARDIM



Imagem - Bellissime Immagini 


BEIJO, BEIJAS COMO AS FLORES DE JARDIM


Face a face como as flores de jardim
Que iluminam os dias em novas primaveras,
Mais p' ra cá do que p' ra lá deste varandim
Em que me debruço e vislumbro quimeras.

Face a face como pestanas que regalam
Os dias, espreguiçando os olhos na maciez
De peles, dando cor à vida dos que amam
Sempre mais e mais do que uma simples vez.

Em vez de pensar no bem-estar de um colo
Beijo, beijas como as flores de jardim
Que beijam assim: lado a lado - o consolo;

Olhos nos olhos, de sorriso ávido...
Beijo, beijas como as flores de jardim
Que naturalmente perfumam o mundo. 

© Ró Mar
 

FIQUEI DE TI PERFUMADO


Arte de Mirthes Crespo 


FIQUEI DE TI PERFUMADO


Levei-te um ramo de rosas
E logo com os olhos nos bebemos!
Fizemos conversas de ocasião silenciosas
Para travar o que dentro de nós ainda pudemos!
Encostei-me ao teu peito e provei o que já estava habituado,
E em vez do aroma das rosas fiquei, meu amor, todo de ti perfumado.

Alfredo Costa Pereira

LEVA-ME




LEVA-ME


Leva-me a ver o mar na noite calma
em dia de maré vasa
Leva-me a contar as estrelas
a olhar os místicos reflexos da lua, 
espelhados no mar
E ao som da melodia das ondas
deixa-me permanecer assim 
no silêncio do teu abraço 
E, se porventura, 
sentires o deslizar de uma lágrima 
São os meus olhos que desabrocham num grito
E te imploram para que fiques
Deixa cair na minh’alma
A luz do teu sorriso
Deixa que a lua nos una num beijo
E diz-me apenas
Que é o fim da solidão!

Lurdes Rebelo

segunda-feira, 23 de abril de 2018

OS SENTIDOS E O LIVRO




OS SENTIDOS E O LIVRO 


“Dia mundial do Livro 2018”


Ó Livro que te prezas, ó tu meu amigo,
Pela significância que em tudo apresentas
Não tens dia que passes sem estar comigo
Tu que, por tua essência, a alma me sedentas… 

Tu, fiel companheiro em recôndito abrigo,
Que em horas indolentes sempre me contentas,
E a quem eu recorro quando não prossigo
Sendo, como és, farol na luz que aparentas… 

Mas eu olho para ti e, ao ver-te revestido
Com mil roupagens coloridas ou maceradas,
Digo, cá para mim, que tens algum sentido
Nas mensagens reais em ti aconchegadas. 

Tu e o teu criador, ó Livro, em toda a parte
Sendo aquele testemunho e aquela aventura
Revelais saborosos frutos e obras de arte
Pelas quais se elevam os valores e a Cultura.

Eu te olho, te vejo, te apalpo e te cheiro
Saciando-me contigo e de corpo inteiro! 

Frassino Machado
In AO CORRER DA PENA

domingo, 22 de abril de 2018

UMA MARCANTE POESIA




UMA MARCANTE POESIA


Um sonho de criança 
Um desejo de esperança 
Um passado com lembrança
Um mago com longa trança

Um Mundo sem maldade
Um palácio feito em verso
Um País só com uma cidade
Um planeta único no Universo 

Uma tertúlia cheia de Amor e alegria 
Uma letra gravada em dourado 
Uma canção ao nascer do dia
Uma viola para acompanhar o meu fado 

Uma velha guitarra que trinava 
Uma fadista que quase chorava
Uma mão rugosa esta letra escrevia 
Uma sentimental e marcante poesia

Paulo Gomes

sábado, 21 de abril de 2018

RAÍZES P' RA LÁ DO RIO, O ALTO CÉU POR INSTINTO


Imagem - J'ad'OR


RAÍZES P' RA LÁ DO RIO, O ALTO CÉU POR INSTINTO


No ribeiro manso, perto de uma azinhaga,
Vive sempre alguém em busca da primavera,
Onde flui água reminiscente de uma entrega
Passiva e total à permuta da quimera.

Quimera que, não é uma mera quimera,
Passeia pelo astrolábio daqueles, doutos seres,
Que asfixiam em terra e não em estratosfera,
Pois, idealizam consonante seus viveres.

Típico dos que vivem na lua, não na lua
Mas sim no ribeiro manso de um labirinto,
Muito próprio e intemporal que sempre atua.

Reação passional dos seres que procuram
Entre as margens o infinito e encontram
Raízes p' ra lá do rio, o alto céu por instinto.

© Ró Mar

quinta-feira, 5 de abril de 2018

O LIVRO ESSE DESCONHECIDO...




O livro esse desconhecido...


Quando pego num livro e o leio
Normalmente vou até ao fim
Mesmo que seja só paleio
Do que leio estou sempre afim

Jamais sonho com o seu final
Apenas vejo alguns artistas
Sem fotos para mim é normal
Que o livro me dê essas pistas

Idealizo certas pessoas
Que do livro são personagens
Para mim são sempre boas
As que se refletem nas imagens

É assim que eu gosto de ler
Nas calmas do meu sossego
Só assim sinto prazer
E introduzo em mim o seu enredo

Livros são todos bons
Todos nisso podem crer
Dão-nos momentos de tão sãos
E ao mesmo tempo elevam o nosso saber

Tenho algumas dificuldades
Em ler como já li
Os olhos essas maldades
Recusam-se a ver eu o senti

São os óculos que o impedem
De fazer como eu gostaria
Mas contudo meus eus não cedem
Porque em si contém magia

Armindo Loureiro
 

domingo, 25 de março de 2018

GOSTO DO TEU MISTÉRIO...




Gosto do teu mistério...


Essa muralha que me separa de quem tu és
e que me alimenta os sonhos!
Sonhar-te e imaginar a tua alma, pelas tuas palavras.
Perceber que o teu sorriso,que não conheço,
é a luz que me ilumina os sonhos com futuro.

E pergunto-me. Qual será o idioma do teu coração?

Que palavras são essas que se soltam de ti
e chegam até mim, vestidas de paixão...
Que brisa é esta, o que é que ela traz
que desperta uma tentação, que vivia adormecida!

Ontem existiam dias que pareciam passado.
Hoje fico a pensar em ti e nos sonhos de amanhã.

Chegaste num dia de nevoeiro, 
por entre as sombras que tiravam a luz à minha alma.
Semeaste emoção num jardim, sem flores
Onde a paixão tinha plantado dores
e as tuas palavras fizeram renascer as plantas envelhecidas.

Gosto do teu mistério...

De quando dizes que me amas!
E o corpo sente-se amado, sem ser procurado.
As certezas ficaram no passado
As dúvidas estão nas tuas mãos e são o futuro.

És o mistério...

O mistério que faz chegar até mim o perfume do amor.
Uma paixão que me deixa aqui a sonhar.
E sem saber o que pensar!!

Angela Caboz

LENÇO DE SEDA


Ilustração: obra de An He


LENÇO DE SEDA 


Assisto ao parto
Das palavras doutas 
Seduzido p' los teus olhos 
E o teu rosto de lua 
Gatos pardos e velhos 
Acariciam-me as pernas 
Trémulas pelo temor 
De não entender o mundo 
E a paixão do teu amor 
Resta-me o lenço de seda 
Chinesa, p' ra limpar a alma 
Enquanto não se põe o sol 
E a noite acorda os sapos 
Verdes ávidos de chuva 
Resta-me o silêncio! 
E a memória do teu beijo 
Daquela noite escura 
De novembro 
Resta-me o rosto 
Pintado pela cor 
Esbatida do teu batôn 
Agora! 
Tudo está consumado 
Definitivamente 
Num gole da última gota 
Saboreada divinamente 
De uísque velho escocês 
Eu penso no amor! 
Essa palavra ancestral 
Que mata corações 
Frágeis e rouba a vida 
Agora restam ilusões 
Tudo está consumado 
E, eu estou de saída 
Serenamente, enamorado 
Pelo secreto mistério 
Por Deus criado 
E por este poema 
Que escrevi inspirado 
P' ra limpar as lágrimas 
Desta eterna tristeza 
Resta-me o teu lenço 
De seda chinesa. 

Joaquim Jorge de Oliveira

sexta-feira, 23 de março de 2018

GOSTA DE MIM...


Arte: Michael & Inessa Garmash 


Gosta de mim…


Se um dia gostares de mim
Diz-mo para eu saber
De ti sempre estive afim
Tu és o meu prazer
Mas se tiveres dificuldade
Na forma de o dizer
Sorri com qualidade
Que eu verei essa verdade
Nos olhos que quero ler

É assim que to vou dizer
Sem sequer me confessar
Tu és tudo, tu és prazer
Que de sempre quis amar
Não gosto de ver em prantos
Não gosto de te ver lacrimejar
Quando te encostas aos cantos
E te escondes nesses recantos
Em ti jamais o vou gostar

Quero sempre gostar de ti
Quero-te sempre a meu lado
Tu tens tudo o que eu senti
Como sendo do meu fado
Por isso encosta-te a mim
Diz-me que és o meu amor
Pois de ti eu estou afim
Ó flor do meu jardim
E te quero dar o meu calor

Armindo Loureiro

quinta-feira, 22 de março de 2018

A LUZ DE TEU OLHAR


Imagem - Art of God and Nature 


A LUZ DE TEU OLHAR


A luz de teu olhar, deixa-me perplexa numa mesura infinita, em que me deleito e descanso, num silêncio profundo. À margem das tuas reais pestanas leio a suavidade do dia, e assim surge a emblemática paisagem pela minha alma, repleta de vida.
Vida que espreguiço pelo teu olhar, a madressilva, e levo comigo a melhor das poesias para cantar pelos beirais de outros dias. 

Minha amada, amante, paixão que me seduz e embala pelo solstício de um amor de cor una a todas as eras.

À noite o dia transborda, pela tua quimera, e meu corpo sente a alquimia que abraça o universo e dá espaço para muitos outros versos, onde a humanidade é senhora de coração azul, tal e qual a luz que tu irradias, e a vida é céu aberto, tal as tuas nobres 'meninas'. 

Cantarei, cantarei a tua mocidade aos quatro cantos do mundo e jamais me cansarei! 

Se te perder de vista sei que vou conseguir continuar o caminho, pois, é tão intenso o meu desejo que não há nada que o faça desfalecer a não ser certo dia que apossará minhas pestanas! Esse, é parte natural a que pertenço e ninguém, nem mesmo tu me podes livrar. Mas, sei que parto feliz, pois, tive o privilégio de prosear contigo e isso ninguém me poderá tirar e levarei comigo para a vida plena, onde tu serás parte de meu olhar pelo mar sereno, décadas de uma perene paixão.

© Ró Mar

DE (SA) PARECENDO




De (sa) parecendo


Calam-se as palavras que me enchem o peito 
e que a ti se destinam...

Vertem-se no papel através dos dedos 
para que as leias,
para que saibas que as inspiraste...

Por vezes são os olhos 
repletos do vazio 
que deixas quando te ausentas 
O que faz com que as palavras 
se enroupem de banalidade...
... saem fracas, frívolas, incoerentes.

Fico sem saber se essas palavras
me são ditadas pelos dedos
que as escrevem, 
se pelo vazio que os olhos enxergam 
ou se saem caóticas,
desordenadas,
sem sentido do peito...
nele ficando aquelas que se traduzem
em abraços e beijos 
quando o Eu e o Tu se transforma em Nós...

Temo que um dia elas se transformem em nada...

sexta-feira, 9 de março de 2018

AUSÊNCIA


Ilustração: obra de Johnny Palacios


AUSÊNCIA


Pássaros acordam o novo dia
Enquanto olho a tua pose
Numa velha fotografia
Finamente emoldurada
Com exímia mestria
Eu enxugo as lágrimas
Impregnadas de nostalgia
Por já não ter, o teu ser
Que amei e se foi por magia
Pássaros quebram o silêncio
Prelúdio da erudita poesia
Escrita com alma e sentimento
Apesar da, manhã estar fria
E o céu estar agora cinzento
Roubando o sol e o azul ao dia
Pássaros de penas coloridas
Chegam vindos do além
Que contém outras vidas
Onde tu estás também
Ávida de carícias queridas
Pássaros quebram o silêncio
Das minhas horas perdidas
Eu tento adivinhar onde estás?
Quais as entradas e saídas
E quem te declarou transparência
De recordações desvanecidas
Pássaros quebram o silêncio
Nas horas adormecidas
Em que sinto a saudade
Dos teus beijos queridos
Oferecidos com verdade
Pássaros quebram o silêncio
Com um chilrear de euforia
Eu choro na solidão
Ao ler esta delicada poesia
Que escrevi com eloquência
E palavras de filosofia
P'ra lembrar a tua ausência
Ao raiar de mais um dia.

Joaquim Jorge de Oliveira

A MAIS BELA FLOR !!!...


Imagem - Bellissime Immagini


DIA DA MULHER - 2018 


Singela homenagem a todas as mulheres do mundo


"A MAIS BELA FLOR !!!..."


Flor do jardim da vida...
Perfumada e colorida:
Que abre só quando quer!...
Pedaço do Paraíso;
Suas pétalas... um sorriso...
E Deus lhe chamou... MULHER!...

´Deu-lhe um terno coração;
Carinho... Amor e Paixão...
Beleza...´ma alma pura também
Depois... da flor maravilhosa;
Nasceram cravos... muitas rosas.
A flor... muda o nome p´ra MÃE!...

Primaveras vão surgindo...
Novas flores vão abrindo;
Chega o inverno veloz!...
A flor jovem e amada...
Mais tarde de MÃE chamada,
Com o tempo, tornam-se AVÓS!...

A mais linda e bela flor!...
Raízes, ramos, frutos... Amor...
Contém Ciúme... e Paixão!...
Um sonho... Ilusão... Magia...
Lua que transforma a noite em dia;
Ou Sol... que lhe aquece o coração!...

António J. A. Cláudio

quinta-feira, 8 de março de 2018

PARA TI MULHER...




Para ti mulher…


Tu que és sinónimo de arte
O olhar de muitos pintores
Vais da terra até Marte
És heroína nos amores

Fazem-se para ti poesias
Impregnadas de ternura
E músicas com melodias
És mistério e és loucura

É assim que te homenageio
Ó Eva dos meus prazeres
Sempre foste o meu enleio
Ao colher de ti tantos saberes

És mãe, és irmã e és sobrinha
Mas acima de tudo és mulher
Dás a todos uma palavrinha
Que sai do fundo do teu ser

E agora para terminar
Um beijo e um miminho
Sinal do meu amar
Com todo o meu carinho

Armindo Loureiro

domingo, 4 de março de 2018

NÃO SOU DONA DE MIM!




NÃO SOU DONA DE MIM!


Difícil...
quando sabemos o caminho 
que queremos percorrer.
E se reconhece 
que o não podemos fazer. 
Pior do que palavras 
que podem magoar, 
é a falta delas 
que podem enlouquecer.
Porque há o direito ao grito... 
então eu grito... 
ah, e como eu grito! 
Momentos que existem... 
apenas segundos...
Que guardo a sete chaves 
na gaveta do meu gostar! 
Não sou dona de mim... 
mas também não me abandono por ai.
Sou mulher 
que procura outra mulher que sei agora... 
estar dentro e mim.
Não sou perfeita! 
Sou mulher que sorri e chora, 
que ama e renuncia.
A que fica e sabe dizer adeus...
que se tranca a mil chaves.
Que se entrega... a custo e a medo.
Agora sei! Sou mulher apenas...

(Eu Mulher)
Maria João Coutinho

COMO UMA VELA




COMO UMA VELA


Ao meu lado a vela está acesa,
Alumia os meus pensamentos,
Que se perdem pelos tempos
Da minha vida, de tanta leveza.

Enquanto a chama assim durar,
Nunca deixarei nunca de pensar,
Que já foste minha e me amaste,
Sem saber por que me deixaste,

A chama vai, pois, enfraquecendo,
No turbilhão do meu sentimento,
Que me queima o meu coração,
Por te amar com tanta emoção.

A noite já vai alta e esta chama
Ainda resiste, de ti não desiste,
Fazes parte dela como de mim.
Vem ter comigo, espero por ti.

Quando esta chama se apagar,
Jamais conseguirei então viver.
Sofrerei por eu não mais de ver,
E tu teres deixado de me amar.

Sem a chama da vela, no além
Nos iremos novamente beijar,
Á luz do céu, abençoado bem,
Que Deus nos vai proporcionar.

Ruy Serrano

sábado, 24 de fevereiro de 2018

APRENDIZ DAS PALAVRAS




APRENDIZ DAS PALAVRAS


Aprendiz das palavras poderei ser apelidado
Em poema conotado com as raízes da verdade
Valorizando a estrutura relevo o seu significado
Desejando tão somente honrar essa responsabilidade

Uno e coerente, onde o leitor encontre afinidade
Se comova, desperte sensações, se sinta enlevado
Num estilo peculiar com rasgos de originalidade
Expondo aos olhos d'outrém o segredo não revelado

Contemplar a árvore da sabedoria com admiração
Olhos de água límpida em reflexos de humildade
Extraindo da sábia Natureza a mais nobre lição

À encruzilhada do pensamento conflui a efemeridade
Na plenitude de sentir o absoluto êxtase da emoção
Assim crescerei com o poema que abraça a eternidade.

Antero Jerónimo

BRISA DA MANHÃ


Ilustração: obra de John William Waterhouse


BRISA DA MANHÃ


Sinto a brisa fresca da manhã,
Sobre o meu corpo dorido
E, saboreio um chá de hortelã,
Elixir natural por Deus ungido.
O, vento leva os pássaros pra sul
Onde estendo o meu olhar
Embriagado pela beleza do azul
E, a suavidade do seu voar.
Caem folhas mortas sobre mim,
Como prelúdio de Outono
Anunciando a morte, o fim!
Inerente ao meu ser humano.
Sopra agora uma leve brisa
Que envolve-me suavemente
Frescura que minha alma precisa
Para amar-te aqui humanamente,
Enquanto debotam as cores das flores
Depois de encantarem tanta gente.
Sopra um vento fresco matinal
Que impele, a minha boca prá tua
Selando nosso beijo intemporal
Deixando-nos alma livre e nua.
Rendida aos tons divinos, dourados
Que coloram as árvores da minha rua
E, as plumas dos pássaros sagrados
Fascinados com a cor branca da lua.
Sinto a brisa fresca da manhã
E, tu ofereces-me o teu beijo.
Enfeitiçado por um xamã,
Para despertar o meu desejo.
A, sensação de ressuscitar
No teu ventre de musa eterna
A, razão divina de sonhar
Nas palavras de cada poema
Que tu trouxeste do mar.

Joaquim Jorge de Oliveira

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

SINTO O 'MAR' QUE TODOS SENTEM


Imagem - TURQUOi$E 


SINTO O 'MAR' QUE TODOS SENTEM


Quando eu nem penso e digo que tenho o 'mar' 
Tenho-o em mim, tão real, e olhem que não minto!
Não porque o veja, mas, porque em mim sinto,
Sinto azul o momento que persisto amar.

Se sinto que o 'mar' é parte de mim 
Por onde andará parte que nem sinto em mim!?
Afinal, que ser sou, vou de encontro a um 'mar'
De que nada sei e nem sei se me quer amar!?

Ah, que 'mar' é este, que insisto ter em mim,
Que nem me dá paz!? Ainda assim o quero em mim.
E, olhando a natureza dele, nem penso,
Digo que o sinto no momento tão extenso.

Olhem, o que eu vejo, o que digo por instinto
E se nada virem não se inquietem!
Porque eu também não o vejo, mas, o sinto,
Sinto o 'mar' que todos sentem.

© Ró Mar

AH SE O MAR...


Foto: Imagens do Mar


AH SE O MAR...


Ah se o mar viesse
dos amores perdidos
nesta maré vaza de ternura
beijar meus pés descalços
e feridos
cansados de andar
desiludidos
pela eterna utopia
da procura…
ah se eu te dissesse
dos atalhos
pedregosos, lodosos
sem encanto
que a vida me deu
para que eu perdesse
a fé no amor 
que se perdeu
e que vencesse
do tempo ido
a dor que me ficou 
eu sofreria, é certo
mas quem sabe
um outro amor perdido
fosse a nova chave
de toda a emoção
que alguém roubou! 

Maria Mamede
(Canções do Mar)

UMA ROSA ENGRAÇADA...


Imagem - Bellissime Immagini


Uma rosa engraçada…


Há mulheres que são demais
Em vestidos cor de rosa
Nem todas serão iguais
Há uma que é mais mimosa

Gosto dela por ser assim
Gosto da sua forma de vestir
Eu dela estou sempre afim
É um espinho no meu sentir

Pico-me quando a seu lado
Salto em pulgas no momento
Um dia contar-lhe-ei meu fado
Com todo o meu sentimento

E depois de lho contar
Espero que ela me conte o dela
Para os dois poderem gostar
Dessa cor que é a mais bela

És tu ó rosa engraçada
Com toda a tua graça
Sabes bem que és amada
Para mim grande desgraça

É que eu engracei contigo
Logo à primeira vista
Quero ser aquele amigo
Quero-te ver na minha lista

Mas uma lista duma mulher só
E tu nisso podes crer
Por isso tu de mim tem dó
É de quem gosta do teu ser

Armindo Loureiro 

domingo, 18 de fevereiro de 2018

OS TECLADOS DA ALMA




OS TECLADOS DA ALMA


São seis os teclados que tenho na alma
Que fazem de mim engenhoso instrumento
E quero com eles em cada momento
Viver minha vida co´ a máxima calma.

Primeiro, a visão que me dá o universo
À volta de mim e do meu horizonte
Escorrem bem claras na água da fonte
As lágrimas soltas mudadas em verso.

Em segundo, a pena que tenho nos dedos
Dão letras semeadas no branco papel
Em traços torneados com parco cinzel
Criando ao de leve insuspeitos segredos. 

Em terceiro, o aroma de escorreito suor
Das livres palavras escravas de mim
Num lauto banquete de odor carmesim
Revelam discurso de acrescido teor. 

Em quarto há-de estar o meu bom paladar
Pelo gosto constante tornado presente, 
Tempero ideal numa aurora latente
Lembrando um fermento sempre a levedar. 

Em quinto, se abre em plateia a ouvir
Feliz partitura de integral melodia… 
Cá estão os teclados da alma, harmonia
De um belo concerto que importa seguir.

Em sexto porém, não podendo faltar
Naquela emoção de energia a crescer,
É a força maior que haverá de nascer
No fundo da alma de cada pensar.

O meu instrumento tem teclas de luz
Meu corpo é o palco que conduzo feliz
Na arte poética que não contradiz 
A vida perene que em poema compus.

Eu sempre sonhei ter inatos talentos
Na arte da música a quem tenho amor
Lamento não ter o talento e o valor 
Que à vida me dê saborosos proventos.

Ó deuses, ó musas, que dais assistência
Aos pobres poetas e aos trovadores,
Eu creio em vós e nos vossos favores
Trazei ao meu estro maior consistência!

Frassino Machado
In ODISSEIA DA ALMA

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

ANTES DO TEMPO




ANTES DO TEMPO


Sinto na boca o sabor amargo 
de um fruto colhido antes do tempo
No coração, espinhos de rosas bravas por desabrochar
Os medos tombam-me os braços e impedem-me de voar
O meu corpo alberga o cansaço 
e as marcas do tempo impiedoso
Martelam na minha memória, lembranças do passado,
que desencadeiam em tormento
Porque partiste antes do tempo... 
ainda não era o momento...
O destino fez-se presente
e levou-te para junto das estrelas cintilantes do céu 
Sem aceitar, sem compreender, continuei a viver
Dos meus olhos, correm cascatas que desaguam no meu peito
Dos meus lábios dormentes, saem murmúrios de saudade
Para tornar mais tênue a minha dor
Voo no pensamento e encho o olhar de esperança
Com as cores do arco-íris, pinto os meus sonhos e, como que por magia
palavras voam ao acaso 
Caindo nas minhas mãos, em forma de poesia...
Tenho poemas inacabados...
Versos que ainda não escrevi
E na minh’alma solitária, gestos… retratos gravados... 
e infindas saudades de ti!

Lurdes Rebelo

UM AMOR DESFEITO!!!...





" UM AMOR DESFEITO!!!..."


Camélia num verde prado nascida;
A chuva a fez crescer lhe deu vida,
A luz do Sol coloriu e perfumou!...
Feliz vivia alegremente no prado;
Ouvindo grilos e os balidos do gado,
Um Lírio Roxo por ela se apaixonou!...
Na magia da noite banhada pelo Luar,
O Lírio Roxo ao prado vinha cantar;
Doces baladas à Camélia sua amada...
Ela escutava a bonita serenata;
Como se fossem fios de ouro ou prata,
Cristal ou pedaços dessa noite de Luar!...
Outras flores roídas de inveja ouviam;
Cheias de raiva e de ciumes não queriam,
Aquele lindo e puro amor aceitar!...
Falaram com ´ma maldosa toupeira;
Para ela estudar e encontrar maneira,
Do Lírio Roxo sem voz e seiva ficar!...
A toupeira aceitou toda contente...
Nas raízes do Lírio Roxo mete o dente,
Deixando o pobre Lírio a sofrer e secar!...
Aos poucos no prado o silêncio ficava,
A Camélia cada vez mais triste andava
Mas o Lírio Roxo jamais voltou a cantar!...
A inveja é um mal e perigo que persiste...
O ciúme pode ser cruel porém existe;
No mundo são como venenos corrosivos!...
Bom seria viver em Paz, Amor e com Bondade;
Destruíssem para sempre o Ódio e Maldade,
E finalmente agradecer a Deus estar-mos vivos!...

António J. A. Cláudio

AS FLORES E EU




AS FLORES E EU


Fui ao encontro de mim
quis saber os meus passos
encontrei-me num jardim,
onde senti teus abraços...

colhi flores divinais
lírios e rosas em marfim
lindos arranjos florais...
fui ao encontro de mim.

em caminhos desbravados
encontrei lindas flores,
receando que fossem cardos
encontrei as mais belas cores

Como um jardim de Primavera
e as lindas cores de marfim
quis saber bem quem eu era
fui ao encontro de mim...!!

Perdida no mais belo jardim
eu vi as rosas mais belas
procurei em todas elas
encontrei a flor que há em mim

Joana Rodrigues


domingo, 11 de fevereiro de 2018

AH, ALVA PRIMAVERA A RENASCER!


Imagem - IN$PiRATiON 


AH, ALVA PRIMAVERA A RENASCER!


Ah, se fosse alva estrela, do infinito 
Inspiraria os homens à luz divina!
Fantasias que articulam a pequena
Existência, desejo que assim grito.

Aos céus bramo o mundo que tem aflito
Meu coração e que leva pela minha alma
O ligeiro e frondoso véu que cito
Em verso de fria mão de uma era calma.

Ah, seria uma nova era pelo planeta,
E, eu deleitado num amor eterno,
Findaria meu suspiro pela violeta!

Haveria, malmequer a florescer
Pela asa miraculosa de dia morno.
Ah, alva primavera a renascer!

© Ró Mar

UMA GOTA


Imagem - Bellissime Immagini

UMA GOTA


Guardado tenho um beijo.
O primeiro. De sabor a sal.
Um calor intenso. Um desejo.
Distantemente perto. Imortal!
Guardado, tenho um sentir.
Aconchego suado, macio.
Uns lábios ternos que a rir,
Me dizem, sussurrando:- vou partir!
Guardado, tenho os passos.
O livre esvoaçar de cabelo solto.
O balancear anca a espaços, 
O olhar vago. Triste. Revolto!
Guardado, tenho-te. A ti!
Uma outra imagem com certeza.
Onde a ruga aponta, mas sorri.
Mesmo que envolta em tristeza...
Guardado ficou o que se guarda
No recôndito âmago do que se é,
Intelecto indelével. Marca de água.
Que se sente! vive! Não se vê!

Guardada tenho ainda. Uma gota.
Uma lágrima. Um sentimento. Uma dor.
Uma semente que brota
Um rebento. Um enxerto. Um amor!
Guardado tenho um momento
A vida. O sonho. A circunstância.
Um estremecer. Um sentimento.
O nada. O tudo. A abundância!
Guardada tenho a saudade
Em gaveta que teima em não fechar
Contrariando assim a vontade
De arrumo que se não deve, nem pode, arrumar!

António Fernandes

SOU ASSIM...




SOU ASSIM
Sou mulher!


Vivo de sonhos
E de emoções.
A minha energia
Sei onde a encontro
Na pintura
No desenho
No que escrevo
E em tudo o que crio.
Tenho imaginação?
vida!
E magia
Quem diria.
Sou mulher!
Sim.
Tenho fé
Tenho esperança
Tenho força
E tenho Jesus 
A guiar o meu caminho.
Sou atrevida!
No que crio.
Indispensável?
Não! 
Insubstituível?
Sim!
Sou assim!
Não desisto
Facilmente! 
E vou atrás
Dos meus sonhos
Sempre.

Mila Lopes