quarta-feira, 29 de junho de 2016

QUERIA-TE TANTO




QUERIA-TE TANTO


(...)

Queria-te tanto. 
Sim queria tanto, que o único caminho livre que escontrei foi esquecer-te. Apagar-te para sempre do passado que não queria lembrar. 
Por isso, resolvi aproveitar todo o meu tempo livre para voar. Ganhei asas e fui em busca de outros sonhos, em busca de outros braços para abraçar.
De repente tu já não tinhas a dimensão do meu sonho. Tive que pedir ao tempo para me emprestar horas para te esquecer.
Queria-te tanto que já não conseguia medir esse amor. Não existiam em mim kilometros suficientes para alcançar a paixão que tinha ficado esquecida no passado.
E na dúvida, deixei o tempo continuar o seu percurso. 
Tu tinhas deixado de ser o ponteiro certo para o meu relógio e era tempo de acertar o meu fuso horário. As horas passariam a ser o que eu quisesse fazer com elas. Tinha todo o tempo do mundo para te esquecer.

(...)

Angela Caboz


SIM... SEM OLHAR A QUEM...




SIM... SEM OLHAR A QUEM...


Sim, continuo a plantar flores
Por onde passar... muitas...
Sim, continuo a deixar marcas
Por onde pisar... tantas...
Sim, continuo a transmitir amor
Por todo o tempo... ilimitado
Sim, continuo a sonhar
De uma maneira tridimensional 
Pois a essência da vida
É amar, de uma maneira tal...
Que se distribua o bem
Sempre.. Sem olhar a quem...

Madalena Lessa


domingo, 26 de junho de 2016

AMARRAR SEM AMARRAS





Amar sem amarras
 

Dizem que o amor transforma tudo aquilo que ele toca 
a começar por quem ama mas também o que rodeia os amantes...

Devia estar disponível para entender e compreender
mas à medida que ama
o amor apropria-se do ser que amamos
e estranhamos quando,
o afogado pela demasiada atenção esbraceja 
como se estivesse a lutar contra a onda 
que o arrasta para o fundo,
como que a gritar que tanta atenção lhe tira o folego, 
lhe restringe a identidade 
e não lhe deixa usufruir da sua liberdade...

Será certamente insegurança
de quem assim procede,
incapaz de entender que uma relação de amor 
se constrói pelo respeito, 
pela preservação da liberdade 
de quem entrou nas nossas vidas 
de forma livre 
e um dia pode querer recuperar 
a sua liberdade 
porque lhe amarraram as asas...

sábado, 25 de junho de 2016

TEU NOME





TEU NOME


ainda me tremem os meus lábios 
quando prenunciam o teu nome
sibilo na letra
gagueijo na palavra
porque teu nome de tão querido
é sentimento profundo
marcado com carinho no meu ser
preenchendo de saudade 
o meu sentimento mais agudo
sabendo que te foste para sempre
agora entregue a todo o mundo

*adeus

Ana Carvalhosa


'JARDIM A ORIENTE'


Art Matisse's Studio, Collioure painted by Damian Elwes , 2010


'Jardim a Oriente'


Nas janelas do pensamento
Pincelo um mar de alegrias,
Brocado a cores de jasmim
E também carmim,
De algumas alegorias.

Na palete invento o azul 'lar'
Que me reveste a alma de (a)mar
O violeta e o verde são o coração
Que mescla a vogal e a consoante,
E, eis que surge o monumento.

É a beleza do fonema
Que dá cor ao poema,
Que também é metáfora
Que se cresce na flora.

É da voz, que fala sonante,
Que há na alma e coração
No 'Jardim a Oriente'
Que nasce a tela do 'Ser'.

© RÓ MAR


MEMÓRIAS ARQUIVADAS !!!...





"MEMÓRIAS ARQUIVADAS !!!..."


Uma lágrima aos meus olhos aflorou;
Caindo sobre as rugas do meu rosto...
Um rasto de saudade porém deixou;
Seria de alegria?!... Ou de desgosto?!!!...

Guarda o nosso coração recordações...
Alegres... só algumas!... Tristes as mais!...
Ao reviver-mos quantas dessas emoções;
As lágrimas vertidas, todas porém... são iguais!...

Trazem o sal duma doce recordação;
Ou dum desgosto amargo como fel!...
São segredos gravados no coração;
Como se fossem esculpidos a cinzel!...

Ao recordarmos algo feliz... o sal é doce!...
Mas se for por causa triste... quanto amargor,
Que sempre nos nossos olhos lágrima fosse;
Recordação que está gravada com Amor!...

António Joaquim Alves Cláudio


quarta-feira, 22 de junho de 2016

NÃO CHORES, MEU AMOR...


Imagem -  Bellissime Immagini


Não chores, meu amor…


Quem sou eu para te ouvir
A carpir as tuas mágoas
No choro que estou a sentir
Vejo escorrer as tuas lágrimas

Não queria isso estar a ver
Porque isso me faz tão mal
Antes um sorriso de prazer
Numa face sem igual

Coras com facilidade
Choras também assim
Do teu sorriso tenho saudade
Porque dele estou sempre afim

Ri-te, pois com alegria
Dá-me o teu sorriso enorme
Para que eu passe este dia
De forma a de ti não sentir fome

És deveras uma mulher
Que me faz sentir feliz
Nem sempre estás como se quer
É a tua presença quem mo diz

Por isso faz-me ficar alegre
Faz com que a tua presença esteja em mim
Tu és tudo o que a minha alma persegue
Tu és aquela que brota no meu jardim

Armindo Loureiro


UM POETA SONHADOR





UM POETA SONHADOR


Sonhador
Não te iludas
Percorre a tua rua
Ou até porque
De rua não te mudas!
Vive sonhando
Sonhar é sonhar
Mesmo sem amar,
Sonhador
Não desiludas
Partiste à procura de amor
Ou talvez a esperança
De quem tudo pode
E tudo quer
Mas tu perdes a razão
Sonhador
Esqueces que o amor
Não se compra se dá
Acontece, aparece, ou não!
Sonhador,
Amor ou atração?
Diz-me então,
Viver nessa incerteza
Esse amor não tem beleza
E tu sentes essa triste desilusão
Sonhador
Vive a vida se puderes
Mas deixa em paz as mulheres
Escreve teus lindos
Poemas de amor,
Porque tu és um grande poeta
Sonhador

Joana R. Rodrigues


terça-feira, 21 de junho de 2016

A MINHA CASA, PARA MIM É UM SONHO




A MINHA CASA, PARA MIM É UM SONHO


... A casa de sonho para mim, é o meu lugar favorito para as minhas viagens... Faço-o no meu cantinho, sentada no sofá da sala, pernas esticadas, e lá depois de horas e horas na vertical e na concentração máxima num campo de visão. O meu campo de visão, tem vários cenários... os meus livros... os meus quadros... as minhas esculturas... os meus DVDs e a televisão. 
É neles que pouso com mais frequência o meu olhar, fixando-me ocasionalmente num, como que entrando na alma do mesmo. Muitas vezes viajo ao interior das esperanças, utopias e mundos de imaginação, que me ajudam a equilibrar o meu estado energético, saindo dessas viagens a meu lado um ou mais amigos, e ao mesmo tempo tem sobre mim o mesmo efeito que qualquer dos melhores calmantes, tem um autêntico poder terapêutico, são uma das razões para aqueles quadros e esculturas, continuarem religiosamente nas suas posições originais! Quando estou sentada é para devorar livros, revistas e jornais, e ficar a olhar extasiada para as minhas esculturas e quadros, que me emocionam por pensar na minha vida... cada um tem uma história... A linda Luanda, terra natal... Saudades! Recordo com eles os Natais e Páscoas passados num calor tórrido, a contar histórias e peripécias de uma família aventureira. 
Com um olhar terno, olho para a minha sala, que eu gosto em cada recanto que admiro.

Leta Moreira


domingo, 19 de junho de 2016

FOI MOMENTO DE CORAÇÃO





FOI MOMENTO DE CORAÇÃO


não tente decifrar-me 
que não possuo hifen ou travessão
tenho as horas passadas 
sem questão 
de mão em mão 
como no som de uma canção
não tente decifrar-me 
porque o meu sonho é ser feliz
esteja onde estiver
mesmo que seja 
onde você nunca quis
na letra que me agarra 
na palavra que não me larga
mas decifrar-me é que não
prefiro a tua lógica
com o inconveniente da deducão
deduz deduz, sem decifração
foi momento de coração

Ana Carvalhosa


ADORO QUANDO ME SURPREENDES...





ADORO QUANDO ME SURPREENDES...


Adoro quando me surpreendes, quando apareces sem hora marcada.

Entras pé ante pé na minha vida, sem bater na porta. Saltas pela janela como se fosses um anjo. Visitas de surpresa os meus dias de solidão, sem dizeres uma palavra. Apenas me lanças um olhar maroto e um beijo doce. Que mais tarde, sabes, me deixarão as marcas da tua saudade a cada segundo em te que afastas e eu fico a olhar-te, sem saber se um dia tu vais voltar.

Adoro quando não me perguntas se te quero. Apenas me amas e me deixas o corpo lambuzado com as gotas da tua paixão. Momentos em que até me parece que estou a sonhar. Em que sinto a tuas mãos a deslizarem sobre mim, os teus beijos que calam todas as palavras que se poderiam soltar para gritar ao mundo o quanto te desejo. Mas que tu sabes com mestria silenciar-me, evitando que o mundo saiba que existe este amor que é só nosso.

Tu sabes com mais ninguém apanhar-me ali ao virar da esquina. Onde, por vezes, se encontram a minha tristeza e o meu medo. Tu sabes afastar todos fantasmas que sobrevoam os meus sonhos, dizendo na hora certa as palavras silenciosas que o meu coração precisa de ouvir.
(...)

Angela Caboz

in "amo-te miúdo tonto"


O QUE SEMPRE RESPIRO





O QUE SEMPRE RESPIRO


As janelas estão abertas e há alfazema aos molhos!
Aqui, no meu jardim, tu és o perfume sem fim,
O que sempre respiro, a terna flor de jasmim,
A rosa que possui as meninas de meus olhos.

Se vens e partes que importa, se fazes parte de mim,
Se és a dona e senhora do meu coração,
E parte da minha alma, em pleno solstício de verão!
Que sejam sempre teus passos desejo em mim!

Se danças e voas é porque és flor mor,
Se és bela e fermosa é porque a natura assim o quis,
E parte de ti é a frase mais bonita que se diz.

Que sejam sempre teus traços meu amor!
Aqui, neste meu cofre, não há mais lugar 
Senão o espaço a respirar o teu terno amar.

© RÓ MAR


SEJA FELIZ E FAÇA ALGUÉM FELIZ TAMBÉM





 SEJA FELIZ E FAÇA ALGUÉM FELIZ TAMBÉM


A vida é o nosso bem mais precioso, é tão forte; sendo capaz de mudar o mundo. Mas ao mesmo tempo é tão frágil; capaz de terminar num segundo. Todos os momentos em nossas vidas são mágicos e cabe a cada um de nós, deixá-los mais marcantes. Seja feliz e faça alguém feliz também, pois estamos todos em busca de: amor, amizade, paz, esperança, afeto, sonhos, etc... Não importa, o que vale mesmo é sermos FELIZES e para que isso fique melhor, que seja ao lado da pessoa que amamos com o coração.

Madalena Lessa


MELANCOLIA...





Melancolia...
 

Nos breves momentos em que no firmamento 
o dia se esconde e a noite mal começa, 
vais banhar teus olhos plenos de melancolia, 
junto ao mar que te ouve os desabafos
e onde esperas ver reflectidos no argênteo lençol de agua,
os milhões de estrelas onde buscas o brilho, 
carregado de doçura,
dos meus olhos trémulos de tanta saudade...
Em comum o sal com que se rega a ausência,
em lágrimas de saudade
e o sal do mar que nos separa...
E a melancolia toma conta de ti,
toma conta de mim , 
com o cordame e os nós da saudade 
a embargar a voz...

Hamilton Ramos Afonso


quinta-feira, 16 de junho de 2016

SABOR II




SABOR II


...vou deixar que me ames 
quando como e 
onde quiseres para que 
percebas que fujo de 
ti como da onda brava 
do mar que me enrola 
e prende atira-me de 
volta ao oceano de te 
amar na salgada água 
na sede da ilha que ao 
sol vire o sal da vida e 
saiba em ti 
condimentar a doce 
lágrima que da tua 
fonte germina

Ana Carvalhosa

O QUE FAÇO POR AQUI...





O que faço por aqui…


Ponho-me aqui a meditar
No que devo ou não escrever
E de tanto meditar
Já perdi o meu prazer
Escrevo em pequenas linhas
Algo que me veio à mente
Nem todas serão palavras minhas
Mas eu nelas fiquei contente
Sorrio-me para o interior
E digo-me algo que é demais
Será que já perdi o amor
Por essas palavras tão banais?
Se calhar foi o que aconteceu
E não vale a pena meditar
O bonito também morreu
É nisso que eu quero acreditar
Paro, fico imóvel por momentos
Na procura do meu saber
E não é que são uns tormentos
E eu nisso não queria crer
É tudo o que de mim resta
Quando o pensamento é assim
Acredito que pode ser uma festa
Mas não é com certeza no meu jardim
É isto que a escrita nos pode dar
Quando com palavras brincamos
No fim há que saber o olhar deitar
E ler tudo o que amamos

Armindo Loureiro


SENSAÇÕES




SENSAÇÕES


Tenho sensações muitas, silenciosas,
Que não me dizem donde partiram,
Sei apenas que são muito maldosas,
Com bastante assédio me seduziram.

As minhas sensações são tão diversas,
Que me deixam intrigado e na dúvida
O que pretendem de mim, é intrigante,
Só sei que tenho sensações bastantes.

Tenho sensações de muitos projectos
Que nunca se realizaram, fiquei ainda
Com as sensações dos que me restam,
Que irei celebrar numa próxima festa.

Sensações tenho dos amores perdidos,
Que me deixaram as boas recordações,
Dum tempo passado que eu vivi, hoje
As sensações são réstias de emoções.

Outras sensações estranhas eu tenho,
Dos amigos que já não tenho, foram 
Para lugar incerto, estou assim certo
Que as sensações são o que restam.

Ruy Serrano


quarta-feira, 15 de junho de 2016

A DOR DE POETA





A DOR DE POETA


Não sei poeta porque me mentes
Porque a poesia tu sentes,
A todo o momento e com alguma dor
Mesmo que digam que o poeta é um fingidor

Fingindo na dor ou na poesia,tanto faz,
Poeta argumenta,
Da poesia diz muitas vezes o que não o satisfaz
Mas poeta que se preza, escreve se não rebenta

O poeta escreve com raiva, amor e sofrimento
Escreve, e volta a escrever só assim acalma
O poeta aviva o seu renascimento,
Escrevendo tudo o que dita o coração e a alma,

Poeta não mintas diz o que sentes
Não finjas a tua própria dor,
Eu sei poeta porque tanto mentes,
Não é porque o poeta disse ser um fingidor
Aquela dor que na verdade sentes..!!

Joana R. Rodrigues

CORAÇÕES EM SEUS AFAGOS




CORAÇÕES EM SEUS AFAGOS


Meu mais que tudo aceita um abraço,
Meu, de quem te ama incondicionalmente…
Olha-me nos olhos e diz-me o que sente
O teu coração, mas, não por palavras!

Quero que segredes ao ouvido esse sentir…
Que tuas mãos desembaracem silabas,
Que o teu corpo ilumine nossas almas…
Que teu coração seja o eterno braço!

Meu mais que tudo sonha com um beijo,
Meu, aquele que te leva, ao céu, lá à lua…
Adormecer nos teus braços é desejo
Que não é só meu, é nosso, que perpetua!

Quero- te amar sempre porque te amo….
Que teu amor venha outra vez e a seguir...
Que nossas bocas sejam a labareda
Que pauta lindos sustenidos à vida!

Meu mais que tudo aceita o que declamo…
Meu é, e de quem mais poderia ser! Uns versos,
Apenas, que cruzam as nossas almas
E enleiam corações em seus afagos.

© RÓ MAR


segunda-feira, 13 de junho de 2016

SANTO ANTÓNIO





FERNANDO PESSOA – 13 de JUNHO


Fernando António Nogueira Pessoa 
Lisboa, 13 de Junho de 1888 — Lisboa, 30 de Novembro de 1935


SANTO ANTÓNIO


Nasci exactamente no teu dia —
Treze de Junho, quente de alegria,
Citadino, bucólico e humano,
Onde até esses cravos de papel
Que têm uma bandeira em pé quebrado
Sabem rir...
Santo dia profano
Cuja luz sabe a mel
Sobre o chão de bom vinho derramado!

Santo António és portanto
O meu santo,
Se bem que nunca me pegasses
Teu franciscano sentir,
Católico, apostólico e romano.

(Reflecti.
Os cravos de papel creio que são
Mais propriamente, aqui,
Do dia de S. João...
Mas não vou escangalhar o que escrevi.
Que tem um poeta com a precisão?)

Adiante... Ia eu dizendo, Santo António,
Que tu és o meu santo sem o ser.
Por isso o és a valer,
Que é essa a santidade boa,
A que fugiu deveras ao demónio.
És o santo das raparigas,
És o santo de Lisboa,
És o santo do povo.
Tens uma auréola de cantigas,
E então
Quanto ao teu coração —
Está sempre aberto lá o vinho novo.

Dizem que foste um pregador insigne,
Um austero, mas de alma ardente e ansiosa,
Etcetera...
Mas qual de nós vai tomar isso à letra?
Que de hoje em diante quem o diz se digne
Deixar de dizer isso ou qualquer outra coisa.
Qual santo! Olham a árvore a olho nu
E não a vêem, de olhar só os ramos.
Chama-se a isto ser doutor
Ou investigador.

Qual Santo António! Tu és tu.
Tu és tu como nós te figuramos.

Valem mais que os sermões que deveras pregaste
As bilhas que talvez não concertaste.
Mais que a tua longínqua santidade
Que até já o Diabo perdoou,
Mais que o que houvesse, se houve, de verdade
No que — aos peixes ou não — a tua voz pregou,
Vale este sol das gerações antigas
Que acorda em nós ainda as semelhanças
Com quando a vida era só vida e instinto,
As cantigas,
Os rapazes e as raparigas,
As danças
E o vinho tinto.

Nós somos todos quem nos faz a história.
Nós somos todos quem nos quer o povo.
O verdadeiro título de glória,
Que nada em nossa vida dá ou traz
É haver sido tais quando aqui andámos,
Bons, justos, naturais em singeleza, 
Que os descendentes dos que nós amámos
Nos promovem a outros, como faz
Com a imaginação que há na certeza,
O amante a quem ama,
E o faz um velho amante sempre novo.
Assim o povo fez contigo
Nunca foi teu devoto: é teu amigo,
Ó eterno rapaz.

(Qual santo nem santeza!
Deita-te noutra cama!)
Santos, bem santos, nunca têm beleza.
Deus fez de ti um santo ou foi o Papa? ...
Tira lá essa capa!
Deus fez-te santo! O Diabo, que é mais rico
Em fantasia, promoveu-te a manjerico.

És o que és para nós. O que tu foste
Em tua vida real, por mal ou bem,
Que coisas, ou não coisas se te devem
Com isso a estéril multidão arraste
Na nora de uns burros que puxam, quando escrevem,
Essa prolixa nulidade, a que se chama história,
Que foste tu, ou foi alguém,
Só Deus o sabe, e mais ninguém.

És pois quem nós queremos, és tal qual
O teu retrato, como está aqui,
Neste bilhete postal.
E parece-me até que já te vi.

És este, e este és tu, e o povo é teu —
O povo que não sabe onde é o céu,
E nesta hora em que vai alta a lua
Num plácido e legítimo recorte,
Atira risos naturais à morte,
E cheio de um prazer que mal é seu,
Em canteiros que andam enche a rua.

Sê sempre assim, nosso pagão encanto,
Sê sempre assim!
Deixa lá Roma entregue à intriga e ao latim,
Esquece a doutrina e os sermões.
De mal, nem tu nem nós merecíamos tanto.
Foste Fernando de Bulhões,
Foste Frei António —
Isso sim.
Porque demónio
É que foram pregar contigo em santo?

Fernando Pessoa

DIAS SERENOS




Dias serenos


Há dias em que a vida 
nos prega partidas, 
nos traz surpresas,
nos põe a chorar de emoção, 
com um sorriso largo 
que ilumina tudo e todos
e nos traz 
« aquele brilhozinho nos olhos »...

É um amor que nasce,
o coração aberto de novo,
alguém que passou a habitar-nos, 
chegando de repente, 
tomando conta de nós, 
desarrumando o que estava arrumado...
… de forma ladina , fazendo de nós adolescentes…

É uma amizade essencial, 
que pensávamos perdida, 
por orgulho,
por falta de diálogo,
por teimosia,
por futilidades 
que regressa de novo
e nos transforma 
a angústia do afecto perdido 
na ampla serenidade
do retomar dessa amizade 
plena de cumplicidade...

Há dias em que avida nos presenteia 
de forma plena 
e aliado à certeza de amar e ser amado,
nada melhor do que juntar
o regresso da amizade pródiga
que de arredia acinzentava os dias,
para dizer que a vida 
vale a pena ser vivida 
e que nada é impossível desde 
que tenhamos o coração aberto 
e coloquemos de lado receios, 
medos,
orgulhos 
e deixemos falar apenas
a linguagem universal dos afectos...

O SOL QUE ME INCENDEIA...


Imagem - Bellissime Immagini


O Sol que me incendeia…


Percorro sempre esse caminho
Que me leva ao teu prazer
No fim perco-me um pouquinho
Num calor que me faz tremer

Sinto esse teu belo raiar
Num olhar desesperado
E eu em ti quero brilhar
Passar a ser mais ousado

Dizer-te o quão bela tu és
Procurar vir a morar em ti
Percorre-te de lés a lés
E terminar na foz que vi

Sou poesia desconforme
No que vai no pensamento
Mas é de ti que sinto fome
E de o dizer não o lamento

Dispo-me de alguns preconceitos
E pressinto-te assim em mim
Fazer amor com todos os jeitos
Era a maneira de não ser assim

És o Sol que me incendeia
Que me faz desassossegar
Em noite de lua cheia
Quero ensinar-te a amar

Abrir alas triunfais
Num amor algo inaudito
Hoje, já não serão iguais
Mas nem isso me põe aflito

Armindo Loureiro

AMOR ÚNICO





AMOR ÚNICO


No sabor de um beijinho
A doçura de um carinho
Na ternura de um olhar
Um sentimento de voar

Num simples toque na mão 
Uma desenfreada paixão 
Numa palavra de amor escrita
Não há coração que resista

Numa lembrança de saudade
O acordar para a triste realidade
Num percurso feito em comum
Um Amor único como não há nenhum

Paulo Gomes

RETRATO DE AMOR





RETRATO DE AMOR


teu corpo ondulado
que me curva na mão
redonda pétala doirada
que surripiarei do chão
em concha ondulada
tão simples e em flor
...retrato de amor

Ana Carvalhosa

MINHA ROSA, MEU AMOR





MINHA ROSA, MEU AMOR


por entre as pedras,
irrompe a vida,
minha rosa, meu amor,
minha ferida,
podias romper da terra,
como qualquer outra flor,
mas a tua paz é guerra,
dentro do teu interior,
e a tua boca encerra,
a folha que foi traída,
e outra que foi perdida,
por um desgosto, uma dor...

minha rosa, meu amor,
já foste rosa querida,
já tiveste o teu esplendor,
e nasceste colorida,
o tempo roubou-te a cor,
agora és rosa sentida,
és rosa dolorida,
mas as pedras dão-te vida,
a rudeza comovida,
deixou irromper a flor...

minha rosa,
minha flor,
minha vida,
meu amor...

as pedras choram,
ao teu redor,
lágrimas quentes,
Poemas ardentes,
mastigam contigo,
a falta de abrigo,
na noite indolor...

O QUE IMPORTA É SER FELIZ...




O que importa é ser feliz...


Não importa do que é o mundo, o importante são seus sonhos... não importa o que você é, o importante é o que você quer ser... não importa onde você está, o importante é para onde você quer ir... nem suas mágoas, o importante mesmo são suas alegrias... nem o que já passou, o passado guarde na lembrança... o mundo é um espelho, não seja um reflexo, só acreditando no futuro você conseguirá a paz, para alcançar seus sonhos... afinal o que importa... Você... seja muito feliz com você... viva para ser tudo que sonha... Sem ele não temos projeto de vida...

Madalena Lessa

O DIA DE NAMORAR


Imagem- Gold ART



O DIA DE NAMORAR


O dia de namorar é todo o dia
Que ele e ela olham nos olhos
Que expressam sentimentos de verdade
E pronunciam as sílabas de um beijo, de saudade,
Gesticulando os lábios entre si e a poesia.

O dia de namorar é todo o dia
Que ele e ela olham o universo
Que ensina a verdadeira natureza
E semeiam raízes de uno coração, de beleza,
Gesticulando as mãos entre si e o universo.

O dia de namorar é todo o dia
Que ele e ela olham o céu
Que inventa ventos, de todos os sonhos,
E entrelaçam o devir de almas, de momentos,
Gesticulando a vida entre si e o fiel.

© RÓ MAR


domingo, 5 de junho de 2016

MENINA DO MAR




Menina do Mar


O mar acolhe-te
com a mesma serenidade e 
respeito que lhe tens...

Dele trazes, para a vida,
a força e coesão
da agua em turbilhão
que te transforma
em menina-mulher
de fibra, 
determinada, 
sem medo...
mas também da doçura 
que aprendeste
quando caminhas 
pela areia molhada
e a espuma das ondas
serenas te vêm beijar os pés 
de menina do mar...
prestando-te vassalagem
agradecendo-te o teu gosto 
pelo mar, em namoro de
ternura e respeito mútuos...

O mar despede-se 
sempre de ti, com saudade
e sussurra-te que leves
e distribuas a sua serenidade
por onde caminhares 
espalhando o perfume
e aroma a maresia...

AMAR-TE É PREVILÉGIO





AMAR-TE É PREVILÉGIO


amar-te é privilégio
és cor e cheiro...
no meu tacto por inteiro

crescem-me borboletas
ao teu olhar
sibilam os lábios
mas não te consigo pronunciar
definir-te é fácil
sentir-te é complexo
és indefinível
no meu imenso léxico
num sussurro andrajoso
ter-te será ser de vaidoso
mas és meu purgatório
meu lado mais pecaminoso

amar-te é meu previlégio
é em mim que sinto
a invasão de ti
por cada vez que fechas os olhos
e sentes a natureza em ti
abres como botão
teu ser ao meu
e eu continuo a saber
o que é em ti viver
minha indefinição de amor

e, por ti, sinto tudo
até à mais pequena dor
e, como grito te escrevo
sabendo da verdade
acrescento-te fantasia
e por amizade
deixo-te ver a luz do dia
foste minha ontem
e serás por mais um dia
até que de ti em mim
sempre se faça poesia.

Ana Carvalhosa

GOSTO-TE DESTA FORMA ASSIM...


Art by Consuelo Arantes


Gosto-te desta forma assim…


Às vezes ponho um travão
Naquilo que estou a ouvir
De ti que grande paixão
Tal é o meu sentir

Canta-me, pois assim
Ó amiga, do coração
E não me digas a mim
Que no canto não há ilusão

Há, e podes muito bem crer
Naquilo que aqui te digo
O canto é um prazer
No canto deste teu amigo

Canta-me dessa maneira
Diz-me qual é o teu sentir
Mesmo que na brincadeira
Eu gosto muito de te ouvir

Há um canto no meu interior
Que reservei só para ti
Porque te quero com amor
Nas palavras que de ti ouvi

Dá-me palavras do teu amar
Diz o que mais gostas em mim
Eu finco o meu no teu olhar
Não há flor mais bela noutro jardim

Gostei-te na primeira vez
E jamais te vou esquecer
Com amor assim se fez
A mulher em que quero crer

És tu essa bela mulher
Que me faz perder a calma
Nem em tudo, tudo se quer
A não ser, quando há alma

A alma duma querida
Que eu julgo como ninguém
Duma forma bem sentida
Vem a mim, te quero bem!

Armindo Loureiro

DETALHES


Art by Richard S. Johnson 


DETALHES


Um olhar
uma palavra
um gesto mínimo
pequenos reflexos 
que fazem a diferença.
Passei por ti há muito
era um fim de tarde
como outro qualquer.
Olhei-te
devolveste-me aquele olhar 
com os mesmos olhos 
com os quais te olhei.
Era para sempre aquele gesto. 
Mudaste-me a vida.

Fernando Figueirinhas

UMA ESTAÇÃO PERFEITA


Imagem- Bellissime Immagini


UMA ESTAÇÃO PERFEITA


A Flor voou, lá bem alto, até ao céu,
Redopiando perfumado encanto,
O tempo parou, os ponteiros 
Do relógio esqueceram-se de rodar, 
E, tudo ficou entre a terra e o mar
Na eterna melodia de (a)mar.

E, nesta bela poesia os nossos destinos
Se enlaçaram pela montanha, o cume a cem por cento,
Dois corações que se soltaram ao vento.

Spa d' alma que o tempo ditou na hora certa,
Uma estação perfeita,
Que se proliferou ao céu.

© RÓ MAR


ENTRE O AMOR E A REALIDADE




ENTRE O AMOR E A REALIDADE


Meu pensamento
Esgotou as palavras
Inebriantes
Ofuscadas pela luz
De tantos viajantes
Viajando na lua ou
Simplesmente ao luar
Nunca eu serei tua
Nem tu serás o meu par
Vivo cada momento,
Num sonho magoado
Serei o brilho da lua,
Mas nunca serei tua
Nem a sombra do pecado
Não sendo muito ousada
Em palavras ou acções,
Eu fui sempre agraciada
Pelas mais diversas razões
Será sempre recordado
O grande amor da minha vida
Sem sombra de pecado
Eternamente
Estou agradecida
A vida me fez assim
Só existe um amor na vida
Podes crer que é verdade
Vivo de alma sofrida
Entre o amor e a realidade

Joana R. Rodrigues

OS MEU PASSOS




OS MEU PASSOS


Os meus passos, 
a compasso, 
caminham
em direcção aos teus…

De mãos dadas,
dois corações, 
batem, um pelo outro,
a descompasso…

Num abraço, 
feito laço, 
os corações,
acertam o compasso,
e os passos, 
caminham
a descompasso…

sábado, 4 de junho de 2016

O VERDADEIRO AMOR




O VERDADEIRO AMOR


O verdadeiro amor,
Ele chega na nossa vida não é no dia em que o outro diz que nos ama. O verdadeiro amor chega na nossa vida é no dia que o outro sem dizer uma palavra nos olha nos olhos e nos convence que nos ama, sem precisar dizer, sem precisar usar o recurso da palavra. Nos olha nos olhos e nos deixa a vontade, porque as pessoas que verdadeiramente nos amam elas nos deixam a vontade para gente ser aquilo que a gente é... Esse pode ser nosso verdadeiro amor de nossa vida...

Madalena Lessa


SENTIMENTO DE AMOR PROFUNDO




SENTIMENTO DE AMOR PROFUNDO


Na profundeza de um olhar
Aquela desmedida ilusão 
Num simples e suave tocar
Uma batida forte do coração 

Num simples e inocente beijo
Uma loucura total e desenfreada
Um incutido e único desejo
De beijar loucamente a sua amada

Numa simples e inocente carícia 
Um brotar de fortes emoções 
Mesmo que não existe muita perícia 
Para conquistar todos os corações 

Num rabisco nesta folha de papel
Um sentimento de amor profundo
Uma catapulta de letras escritas com mel
Para as mulheres mais belas do mundo 

Paulo Gomes


VIVE ESTE MARAVILHOSO MAR




VIVE ESTE MARAVILHOSO MAR


Olha, repara como são lindas flores,
Que te falam em segredo,
Baixinho murmuram tanto
Que a noite se faz açucena
Para te ter plena.

Nesta madrugada,
Só te quero silente
Minha amada,
Sorver o teu encanto,
Beijo mudo
Que se vence pelo mundo.

Sabes, o quanto te amo
É o suficiente 
Para florir a planície da vida,
Enquanto o vento soprar, 
O meu coração só saberá t’ amar.

E, hoje, aqui e agora, sou a semente
Que faz luzir os teus olhos,
Que me faz sentir sonhos
Que nunca pensei, 
Mas que sempre amei,
Ai, como amei...
E amo...

A minha vida 
É a tua áurea, e mais não sei...
Só sei que te amo...
E como te amo.

Olha, este aroma anil
Que se brota pela noite, luar de flores 
Que plantam amores…

Que se fecundam no céu, fértil
Sentimento que se nutre, evento
À vida, enquanto é momento.

Não digas nada, minha amada,
Vive este maravilhoso mar
Que é tudo enquanto não seja nada.

© RÓ MAR