sábado, 24 de fevereiro de 2018

APRENDIZ DAS PALAVRAS




APRENDIZ DAS PALAVRAS


Aprendiz das palavras poderei ser apelidado
Em poema conotado com as raízes da verdade
Valorizando a estrutura relevo o seu significado
Desejando tão somente honrar essa responsabilidade

Uno e coerente, onde o leitor encontre afinidade
Se comova, desperte sensações, se sinta enlevado
Num estilo peculiar com rasgos de originalidade
Expondo aos olhos d'outrém o segredo não revelado

Contemplar a árvore da sabedoria com admiração
Olhos de água límpida em reflexos de humildade
Extraindo da sábia Natureza a mais nobre lição

À encruzilhada do pensamento conflui a efemeridade
Na plenitude de sentir o absoluto êxtase da emoção
Assim crescerei com o poema que abraça a eternidade.

Antero Jerónimo

BRISA DA MANHÃ


Ilustração: obra de John William Waterhouse


BRISA DA MANHÃ


Sinto a brisa fresca da manhã,
Sobre o meu corpo dorido
E, saboreio um chá de hortelã,
Elixir natural por Deus ungido.
O, vento leva os pássaros pra sul
Onde estendo o meu olhar
Embriagado pela beleza do azul
E, a suavidade do seu voar.
Caem folhas mortas sobre mim,
Como prelúdio de Outono
Anunciando a morte, o fim!
Inerente ao meu ser humano.
Sopra agora uma leve brisa
Que envolve-me suavemente
Frescura que minha alma precisa
Para amar-te aqui humanamente,
Enquanto debotam as cores das flores
Depois de encantarem tanta gente.
Sopra um vento fresco matinal
Que impele, a minha boca prá tua
Selando nosso beijo intemporal
Deixando-nos alma livre e nua.
Rendida aos tons divinos, dourados
Que coloram as árvores da minha rua
E, as plumas dos pássaros sagrados
Fascinados com a cor branca da lua.
Sinto a brisa fresca da manhã
E, tu ofereces-me o teu beijo.
Enfeitiçado por um xamã,
Para despertar o meu desejo.
A, sensação de ressuscitar
No teu ventre de musa eterna
A, razão divina de sonhar
Nas palavras de cada poema
Que tu trouxeste do mar.

Joaquim Jorge de Oliveira

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

SINTO O 'MAR' QUE TODOS SENTEM


Imagem - TURQUOi$E 


SINTO O 'MAR' QUE TODOS SENTEM


Quando eu nem penso e digo que tenho o 'mar' 
Tenho-o em mim, tão real, e olhem que não minto!
Não porque o veja, mas, porque em mim sinto,
Sinto azul o momento que persisto amar.

Se sinto que o 'mar' é parte de mim 
Por onde andará parte que nem sinto em mim!?
Afinal, que ser sou, vou de encontro a um 'mar'
De que nada sei e nem sei se me quer amar!?

Ah, que 'mar' é este, que insisto ter em mim,
Que nem me dá paz!? Ainda assim o quero em mim.
E, olhando a natureza dele, nem penso,
Digo que o sinto no momento tão extenso.

Olhem, o que eu vejo, o que digo por instinto
E se nada virem não se inquietem!
Porque eu também não o vejo, mas, o sinto,
Sinto o 'mar' que todos sentem.

© Ró Mar

AH SE O MAR...


Foto: Imagens do Mar


AH SE O MAR...


Ah se o mar viesse
dos amores perdidos
nesta maré vaza de ternura
beijar meus pés descalços
e feridos
cansados de andar
desiludidos
pela eterna utopia
da procura…
ah se eu te dissesse
dos atalhos
pedregosos, lodosos
sem encanto
que a vida me deu
para que eu perdesse
a fé no amor 
que se perdeu
e que vencesse
do tempo ido
a dor que me ficou 
eu sofreria, é certo
mas quem sabe
um outro amor perdido
fosse a nova chave
de toda a emoção
que alguém roubou! 

Maria Mamede
(Canções do Mar)

UMA ROSA ENGRAÇADA...


Imagem - Bellissime Immagini


Uma rosa engraçada…


Há mulheres que são demais
Em vestidos cor de rosa
Nem todas serão iguais
Há uma que é mais mimosa

Gosto dela por ser assim
Gosto da sua forma de vestir
Eu dela estou sempre afim
É um espinho no meu sentir

Pico-me quando a seu lado
Salto em pulgas no momento
Um dia contar-lhe-ei meu fado
Com todo o meu sentimento

E depois de lho contar
Espero que ela me conte o dela
Para os dois poderem gostar
Dessa cor que é a mais bela

És tu ó rosa engraçada
Com toda a tua graça
Sabes bem que és amada
Para mim grande desgraça

É que eu engracei contigo
Logo à primeira vista
Quero ser aquele amigo
Quero-te ver na minha lista

Mas uma lista duma mulher só
E tu nisso podes crer
Por isso tu de mim tem dó
É de quem gosta do teu ser

Armindo Loureiro 

domingo, 18 de fevereiro de 2018

OS TECLADOS DA ALMA




OS TECLADOS DA ALMA


São seis os teclados que tenho na alma
Que fazem de mim engenhoso instrumento
E quero com eles em cada momento
Viver minha vida co´ a máxima calma.

Primeiro, a visão que me dá o universo
À volta de mim e do meu horizonte
Escorrem bem claras na água da fonte
As lágrimas soltas mudadas em verso.

Em segundo, a pena que tenho nos dedos
Dão letras semeadas no branco papel
Em traços torneados com parco cinzel
Criando ao de leve insuspeitos segredos. 

Em terceiro, o aroma de escorreito suor
Das livres palavras escravas de mim
Num lauto banquete de odor carmesim
Revelam discurso de acrescido teor. 

Em quarto há-de estar o meu bom paladar
Pelo gosto constante tornado presente, 
Tempero ideal numa aurora latente
Lembrando um fermento sempre a levedar. 

Em quinto, se abre em plateia a ouvir
Feliz partitura de integral melodia… 
Cá estão os teclados da alma, harmonia
De um belo concerto que importa seguir.

Em sexto porém, não podendo faltar
Naquela emoção de energia a crescer,
É a força maior que haverá de nascer
No fundo da alma de cada pensar.

O meu instrumento tem teclas de luz
Meu corpo é o palco que conduzo feliz
Na arte poética que não contradiz 
A vida perene que em poema compus.

Eu sempre sonhei ter inatos talentos
Na arte da música a quem tenho amor
Lamento não ter o talento e o valor 
Que à vida me dê saborosos proventos.

Ó deuses, ó musas, que dais assistência
Aos pobres poetas e aos trovadores,
Eu creio em vós e nos vossos favores
Trazei ao meu estro maior consistência!

Frassino Machado
In ODISSEIA DA ALMA

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

ANTES DO TEMPO




ANTES DO TEMPO


Sinto na boca o sabor amargo 
de um fruto colhido antes do tempo
No coração, espinhos de rosas bravas por desabrochar
Os medos tombam-me os braços e impedem-me de voar
O meu corpo alberga o cansaço 
e as marcas do tempo impiedoso
Martelam na minha memória, lembranças do passado,
que desencadeiam em tormento
Porque partiste antes do tempo... 
ainda não era o momento...
O destino fez-se presente
e levou-te para junto das estrelas cintilantes do céu 
Sem aceitar, sem compreender, continuei a viver
Dos meus olhos, correm cascatas que desaguam no meu peito
Dos meus lábios dormentes, saem murmúrios de saudade
Para tornar mais tênue a minha dor
Voo no pensamento e encho o olhar de esperança
Com as cores do arco-íris, pinto os meus sonhos e, como que por magia
palavras voam ao acaso 
Caindo nas minhas mãos, em forma de poesia...
Tenho poemas inacabados...
Versos que ainda não escrevi
E na minh’alma solitária, gestos… retratos gravados... 
e infindas saudades de ti!

Lurdes Rebelo

UM AMOR DESFEITO!!!...





" UM AMOR DESFEITO!!!..."


Camélia num verde prado nascida;
A chuva a fez crescer lhe deu vida,
A luz do Sol coloriu e perfumou!...
Feliz vivia alegremente no prado;
Ouvindo grilos e os balidos do gado,
Um Lírio Roxo por ela se apaixonou!...
Na magia da noite banhada pelo Luar,
O Lírio Roxo ao prado vinha cantar;
Doces baladas à Camélia sua amada...
Ela escutava a bonita serenata;
Como se fossem fios de ouro ou prata,
Cristal ou pedaços dessa noite de Luar!...
Outras flores roídas de inveja ouviam;
Cheias de raiva e de ciumes não queriam,
Aquele lindo e puro amor aceitar!...
Falaram com ´ma maldosa toupeira;
Para ela estudar e encontrar maneira,
Do Lírio Roxo sem voz e seiva ficar!...
A toupeira aceitou toda contente...
Nas raízes do Lírio Roxo mete o dente,
Deixando o pobre Lírio a sofrer e secar!...
Aos poucos no prado o silêncio ficava,
A Camélia cada vez mais triste andava
Mas o Lírio Roxo jamais voltou a cantar!...
A inveja é um mal e perigo que persiste...
O ciúme pode ser cruel porém existe;
No mundo são como venenos corrosivos!...
Bom seria viver em Paz, Amor e com Bondade;
Destruíssem para sempre o Ódio e Maldade,
E finalmente agradecer a Deus estar-mos vivos!...

António J. A. Cláudio

AS FLORES E EU




AS FLORES E EU


Fui ao encontro de mim
quis saber os meus passos
encontrei-me num jardim,
onde senti teus abraços...

colhi flores divinais
lírios e rosas em marfim
lindos arranjos florais...
fui ao encontro de mim.

em caminhos desbravados
encontrei lindas flores,
receando que fossem cardos
encontrei as mais belas cores

Como um jardim de Primavera
e as lindas cores de marfim
quis saber bem quem eu era
fui ao encontro de mim...!!

Perdida no mais belo jardim
eu vi as rosas mais belas
procurei em todas elas
encontrei a flor que há em mim

Joana Rodrigues


domingo, 11 de fevereiro de 2018

AH, ALVA PRIMAVERA A RENASCER!


Imagem - IN$PiRATiON 


AH, ALVA PRIMAVERA A RENASCER!


Ah, se fosse alva estrela, do infinito 
Inspiraria os homens à luz divina!
Fantasias que articulam a pequena
Existência, desejo que assim grito.

Aos céus bramo o mundo que tem aflito
Meu coração e que leva pela minha alma
O ligeiro e frondoso véu que cito
Em verso de fria mão de uma era calma.

Ah, seria uma nova era pelo planeta,
E, eu deleitado num amor eterno,
Findaria meu suspiro pela violeta!

Haveria, malmequer a florescer
Pela asa miraculosa de dia morno.
Ah, alva primavera a renascer!

© Ró Mar

UMA GOTA


Imagem - Bellissime Immagini

UMA GOTA


Guardado tenho um beijo.
O primeiro. De sabor a sal.
Um calor intenso. Um desejo.
Distantemente perto. Imortal!
Guardado, tenho um sentir.
Aconchego suado, macio.
Uns lábios ternos que a rir,
Me dizem, sussurrando:- vou partir!
Guardado, tenho os passos.
O livre esvoaçar de cabelo solto.
O balancear anca a espaços, 
O olhar vago. Triste. Revolto!
Guardado, tenho-te. A ti!
Uma outra imagem com certeza.
Onde a ruga aponta, mas sorri.
Mesmo que envolta em tristeza...
Guardado ficou o que se guarda
No recôndito âmago do que se é,
Intelecto indelével. Marca de água.
Que se sente! vive! Não se vê!

Guardada tenho ainda. Uma gota.
Uma lágrima. Um sentimento. Uma dor.
Uma semente que brota
Um rebento. Um enxerto. Um amor!
Guardado tenho um momento
A vida. O sonho. A circunstância.
Um estremecer. Um sentimento.
O nada. O tudo. A abundância!
Guardada tenho a saudade
Em gaveta que teima em não fechar
Contrariando assim a vontade
De arrumo que se não deve, nem pode, arrumar!

António Fernandes

SOU ASSIM...




SOU ASSIM
Sou mulher!


Vivo de sonhos
E de emoções.
A minha energia
Sei onde a encontro
Na pintura
No desenho
No que escrevo
E em tudo o que crio.
Tenho imaginação?
vida!
E magia
Quem diria.
Sou mulher!
Sim.
Tenho fé
Tenho esperança
Tenho força
E tenho Jesus 
A guiar o meu caminho.
Sou atrevida!
No que crio.
Indispensável?
Não! 
Insubstituível?
Sim!
Sou assim!
Não desisto
Facilmente! 
E vou atrás
Dos meus sonhos
Sempre.

Mila Lopes 

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

APENAS CULTURA




APENAS CULTURA 


Um sombreado de paixões 
Num desenho com imensa cor
Um quadro transmitindo emoções
Num museu dedicado ao Amor 

Uma escultura de pura arte
Numa sala de um museu famoso 
Uma rocha que veio de Marte
Numa noite de um céu luminoso 

Um poema escrito com tinta incolor
Num livro único de pura poesia 
Um hino dedicado apenas ao Amor
Num País onde tudo é pura magia 

Paulo Gomes