domingo, 6 de julho de 2014

RECORDAÇÃO DA PENHA




RECORDAÇÃO DA PENHA 02 – Frassino Machado
(Réplica a Abel Cunha)



Abel Cunha:

De manhã cedo, em tempos que lá vão,
Corrias, sem esforço, até à Penha;
Fervia ainda o leite no fogão
E logo regressavas da montanha.

“Vou ali e já venho”, então dizias,
E, em menos dum susto, aparecias.
Tenho a certeza que era a devoção
Que te levava nessa direcção.


Frassino Machado:

Sim, muito cedo, em frescas manhãzinhas,
Correndo calmamente até à serra,
É uma recordação das muitas minhas
Que sinto daquela Penha e da nossa terra.

Uma légua, partindo de Nespereira,
Chegares ao pé da serra, que trabalheira.
Ficaste no sopé e eu fui lá acima
Não tanto por devoção, mas auto-estima…

Foi uma direcção, sempre sonhada,
Ir subindo naquela ou noutras penhas
Ao fim da tarde ou na fresca madrugada
Passam os sonhos e ficam as montanhas.

E a magia da serra, essa, continua:
A Senhora, a paixão, a minha e a tua!

Frassino Machado
In CANÇÃO DA TERRA