quarta-feira, 10 de setembro de 2014

ELA JÁ SE CHAMOU SILÊNCIO...




ELA JÁ SE CHAMOU SILÊNCIO...


Ela já se chamou ‘silêncio 
a brotar dos lábios debruados com um sorriso’.
Agora não. Agora tem nome. Pese embora cale tudo,
pese embora quando ela sorri ele não ouça mais nada
– e também não veja mais nada.
Na verdade, quando ela sorri, ele nem sabe
se quer ouvir ou ver o que seja. Para esses momentos,
não está previsto que ele tenha dois pensamentos,
só que ele se encante ao ponto de esquecer o acessório.
Quando ele a conheceu, o principal foi o sorriso. E ainda é.
Ela já se chamou ‘silêncio 
a brotar dos lábios debruados com um sorriso’,
mas é agora qualquer sorriso digno desse adjectivo
que traz em brado o nome dela. [Se é amor?]

Sérgio Lizardo