quinta-feira, 21 de agosto de 2014

CORAÇÃO SEM DONO



Imagem - Lady Sybile 


CORAÇÃO SEM DONO


No limiar das manhãs vê-se um leve sorriso,
Um triste olhar que desvanece ao fim do dia.
Caiu a noite e o dia levou a esperança
De ter onde ficar…dorme ao relento e não era preciso!
Desnuda-se e levanta a poeira…vestem-se as pedras da calçada
De lágrimas que comportam a lagoa verde, cor de esperança.
E, é um outro dia…e, cada dia que passa o seu olhar
Mais desfalece! Não se vê vivalma
E os dias contam-se e somam-se as noites
Às mais belas iguarias…e, não há que o consolar!
Pobre coitado viaja só pelo universo tremulando ao abandono!
Cansado está de tão sôfrego viver…
Traz a velhice plissada pelo rosto e o desgosto a alongar 
Seus cabelos que urgem uma casa onde morar.
Continua a travessia pelas ruas e apronta-se nas ruelas…
Olha à esquerda e à direita e o que vê é mais uma jornada
A palmilhar o desesperante cansaço de todos os dias!
Precisa de paz, pois de amor já nada espera pelo caminho.
Não se vive pela metade
E, de sonhos e utopias não se sente o puro ar!
Que melodias fantasiam e não encobrem o olhar ao céu sem par
Sempre sabemos que é desviar e não olhar!
E, é nem mais que um pobre coitado precisando 
De um tecto onde possa ainda morar!
Ai, o amor que foi outros tempos, e, agora resta a esperança
De ter um pouco de paz que espera o cansaço de todos os dias…
Quiçá, as portas do céu se abram e deixem o coitado lá ficar!
Caiu a noite e o dia levou a esperança
De ter onde ficar...
Vagueia pelo paraíso e seus delírios o desencaminham
A ser completo, e é-o, em trova ou em verso vai trauteando
As letras de uma sina que tanto teme e pelejam 
Um tecto onde morar!
E, sonha uma casa pequenina e fermosa que tecto azul tem 
E abraça a lua escrevendo o que lhe vai na alma...
Que são frases completas de uma vida que não é 
E vive o que é pela metade
Que tem a noite em troca para dar. 
Uma casa pequenina que fermosa é, 
Um palacete ao seu olhar
E no hiato vê as estrelas pelo céu a brilhar!
As lágrimas sucedem-se…um cisco no olho, e volvem-se os dias 
Todos e as noites a completar o pobre coitado! 
Não sabe viver em metades que sempre sonha…
A vida não é seu contento, diz-se que não o amam!
E todos os dias se somam a tantas noites, o vazio preenche o luar
Enquanto não chega o seu bem complementar!
O pior é ser malogrado ao amor…que em metade nada é!
É a vida que tem 
E o que espera dela pouco é…
Vê-se pelas letras que desenham o lacrimejado
Azul, que lago é, onde ainda se habilita a viver!
E, é mais um dia onde perfuma seus longos cabelos 
Pelas velhas janelas
Que têm a ser um qualquer dia.
O pobre coitado é um coração sem dono!

® RÓ MAR